Fórumcast, o podcast da Fórum
09 de dezembro de 2013, 14h21

Em Leilão da Resistência, ruralistas arrecadam R$ 1 milhão para ações contra índios

Produtores e políticos se organizam contra ocupações indígenas; eles criticam Funai e ONGs e defendem segurança na porta das fazendas

Produtores e políticos se organizam contra ocupações indígenas; eles criticam Funai e ONGs e defendem segurança na porta das fazendas

Da Redação

Senadora Kátia Abreu criticou a Funai: órgão seria “atrasado e retrógrado” (Foto: Antonio Cruz/ABr)

Intitulado como o “Leilão da Resistência”, figuras políticas e produtores rurais organizaram evento neste sábado (7) para levantar dinheiro com o objetivo de financiar ações contra retomadas de áreas indígenas.

Segundo reportagem de Nealla Machado, publicado originalmente no MidiamaxNews (7/12), o evento organizado por pecuaristas do Mato Grosso do Sul (MS) contou com cerveja e espetinhos.

“Essa é a resistência democrática que o MS levanta nesse momento. Chega de desrespeito ao cidadão que faz e que produz”, declarou o deputado federal pelo estado de Goiás, Ronaldo Caiado (DEM).

Quem também marcou presença foi a senadora por Tocantins, Kátia Abreu (PSD). Em sua fala, a parlamentar teceu pesadas críticas à Funai (Fundação Nacional do Índio), a qual considera ser “falida, retrógrada e atrasada”.

Leia também:
Encapuzados incendeiam carro com indígena Terena dentro em Miranda (MS)
Questão indígena – Onde impera a lei do mais forte
Indígenas protestam por retomada de demarcações de terra

O deputado Zé Teixeira (DEM) disse em discurso que “pouco importa o leilão e o dinheiro arrecadado”, que o mais importante é fazer com que os produtores defendam suas propriedades. “Há anos os produtores gastam com invasões. Se o banco tem um segurança na porta, por que a fazenda não pode ter? Esse leilão é um alerta para mostrar que o setor produtivo não vai esperar pelo poder público e precisa de segurança”, declarou o deputado que ainda atacou as Ongs, pois, para ele são as Organizações não Governamentais que “promovem as invasões e não os índios”. “Essas organizações de esquerda querem desarticular o setor produtivo”, declarou o deputado.

O secretário de Habitação do estado do Mato Grosso do Sul, Carlos Marun (PMDB), que também marcou presença no evento, foi mais contido em sua fala e disse “não concordar 100% com tudo que estava sendo dito ali”, porém, classificou as ocupações indígenas uma “afronta ao estado de direito democrático” e que “alguma coisa precisa ser feita”.

Cerveja e espetinho aos presentes

De acordo com a reportagem de Nealla Machado, o evento foi “muito bem organizado” e teve serviço profissional de garçons que serviam água, refrigerante e cerveja aos participantes. Do lado de fora tinha uma tenda com dois televisores e climatizadores.

Além dos parlamentares já citados, marcaram presença no “Leilão da Resistência” o senador Waldemir Moka (PMDB-MS), os deputados federais Luiz Henrique Mandeta (DEM-MS), Reinaldo Azambuja (PSDB-MS) e Fábio Trad (PMDB-MS). Os deputados estaduais Mara Caseiro (PTdoB-MS), Jerson Domningos (PMDB-MS), Junior Mochi (PMDB-MS). O ex-prefeito de Campo Grande (MS) e secretário estadual Nelsinho Trad, também marcou presença.

Justiça determina que arrecadação do leilão seja depositada em juízo

De acordo com o portal MidiaMaxNews, o Leilão da Resistência arrecadou em torno de R$ 1 milhão na comercialização de gados. Porém, a Justiça de Mato Grosso do Sul determinou que o valor seja depositado em juízo, “assim como o nome dos doadores e valor individual, sob pena de multa do dobro de todo o valor arrecadado”.

Antes de acontecer de fato, o “Leilão da Resistência” enfrentou uma batalha judicial, pois, organizações indígenas acusaram o evento de querer montar “milícias” com o dinheiro arrecadado, visto que o motivo da realização do evento era levantar “fundos pra segurança armada das fazendas”.

No dia 4, uma liminar da Justiça proibia o evento, porém, na noite de quinta-feira a Justiça liberou a realização do leilão. E agora, liminar do sábado determinou que todo o valor arrecadado seja depositado em juízo, a partir de um mandado de segurança impetrado pelo advogado Luiz Henrique Eloy, representante dos grupos Aty Guasu e Conselho do Povo Terena.

 


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum