Ouça o Fórumcast, o podcast da Fórum
11 de abril de 2012, 17h31

São Paulo, a cidade dos prédios e periferias

Está para ser votada a liberação de prédios de até 54 metros de altura no entorno do Parque do Ibirapuera. Atualmente, só são permitidos edifícios de até dez metros na região. Por isso, a prefeitura de São Paulo deu início ao processo de revisão da Resolução 6, de 1997, do Conselho Municipal de Defesa do Patrimônio Histórico de São Paulo (Conpresp), que define o limite das construções. A votação estava prevista para ocorrer nesta quarta, 10, mas foi adiada.

Os moradores do bairro são contrários à mudança, que propiciará a construção de verdadeiras muralhas de concreto em volta do parque, cujos proprietários terão vistas privilegiadas. A arquiteta e urbanista Lucila Lacreta, da ONG Defenda São Paulo, tem alegado que essa liberação poderá causar diversos malefícios ambientais, no que diz respeito à circulação do ar, impermeabilização do solo, entre outros.

O caso do entorno do Ibirapuera é mais um exemplo do processo pelo qual passa a capital paulista, onde leis são alteradas para o mercado imobiliário. Preocupações com transporte, qualidade de vida, direito à moradia, garantia de equipamentos públicos, entre muitas outras questões, são ignoradas.

Dentro de alguns anos, se esse processo continuar, as regiões centrais estarão tomadas por prédios, e a população de menor poder aquisitivo estará cada vez mais nas periferias. Ou seja, está se intensificando uma divisão da cidade, sem espaços públicos que permitam a convivência democrática dos paulistanos.

A prefeitura tem se utilizado da emissão de Certificados de Potencial Adicional de Construção (Cepacs) e sua venda para o mercado imobiliário. Assim, as leis de zoneamento são alteradas e a administração municipal tem um excelente lucro.

Na região da Faria Lima, por exemplo, o Projeto de Lei 425/11, de autoria do Executivo, foi aprovado na Câmara Municipal, permitindo à Prefeitura a emissão de 500 mil Cepacs no âmbito da Operação Urbana Faria Lima, cujo valor estimado é de R$ 2 bilhões. Quem compra os Cepacs pode construir além dos limites estipulados no zoneamento urbano.

Reportagem de Leandro Melito e João Peres, da Rede Brasil Atual, mostra que desde 2009, a prefeitura recebeu R$ 2,749 bilhões da Camargo Corrêa, Engeform, OAS, Carioca Nielsen, Santa Bárbara e outras.

Como disse a urbanista Ermínia Maricato, em entrevista na Fórum de março, a força do capital imobiliário tem dominado as cidades do Brasil inteiro: “Não tem o controle de uso e ocupação do solo, o automóvel não é questionado, o mercado imobiliário controla a legislação fundiária e imobiliária através da Câmara Municipal, e as grandes empreiteiras às vezes substituem a Secretaria de Planejamento e de Obras”.

Mas há pessoas questionando tudo isso. Os moradores de Pinheiros, zona oeste de São Paulo, por exemplo, criaram um movimento contra a verticalização desenfreada no bairro. Na outra ponta, estão as diversas ocupações na cidade de movimentos de luta por moradia, inclusive com os “Novos Pinheirinhos”.


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum