Fórumcast #20
20 de novembro de 2014, 20h11

Sexo e as Nêgas: racismo, sexismo e silenciamento

A desinformação leva muita gente a pensar que a insatisfação dos militantes é desproporcional, mas é notável que há sérios problemas de representatividade perpetuados pela Rede Globo e sua programação

Por Jarid Arraes

Sexo e as Nêgas parece ser uma máquina de gerar controvérsias. A série global de Miguel Falabella já enfrentou protestos de vários grupos, entre eles militantes do movimento negro, ativistas feministas e intelectuais que declararam repúdio aos estereótipos racistas e sexistas reproduzidos pelo programa. Quem pensou que as críticas eram fogo de palha, acabou se equivocando: mesmo diante dos esforços da Globo e de Falabella, os embates permanecem firmes.

Para quem não está habituado com as reivindicações dos coletivos negros e feministas, a forma como Sexo e as Nêga foi alvo de protestos foi impactante. Muita gente se mobilizou, principalmente nas redes sociais, com páginas de repúdio que chegam a reunir mais de 30 mil pessoas. Entre os protestos presenciais, um grupo do Levante Popular da Juventude de São Paulo se reuniu em frente aos estúdios da Globo e, além de fazer um “escracho” com palavras de ordem e cartazes, também pichou a fachada da emissora com a palavra “racista” abaixo de seu logo.

Veja também:  Moro sinaliza que governo pode barrar itens da lei de abuso de autoridade

A desinformação leva muita gente a pensar que a insatisfação dos militantes é desproporcional, mas é notável que há sérios problemas de representatividade perpetuados pela Rede Globo e sua programação. São muitos anos de um poderoso império, que vende e dissemina o racismo e o machismo sem enfrentar maiores consequências. Com a série Sexo e as Nêgas, uma nova forma de demandar mudanças vem provando que a internet e a politização coletiva de grupos de mulheres, sejam esses grupos feministas ou não, têm muito a oferecer.

Esta reportagem faz parte da edição 174 da Revista Fórum Semanal, para assinar e continuar lendo, clique aqui. Contribua com um jornalismo independente. 


Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum

#tags