Fórumcast, o podcast da Fórum
16 de setembro de 2013, 12h22

SP: Governo lançará PPP para a construção e administração de 3 penitenciárias

Secretaria de Administração Penitenciária aguarda definição de terrenos para lançar o edital da Parceria Público-Privada (PPP)

Secretaria de Administração Penitenciária aguarda definição de terrenos para lançar o edital da Parceria Público-Privada (PPP)

Da Redação

Primeira penitenciária privada do país está em funcionamento em Ribeirão das Neves (MG). São Paulo quer seguir o modelo e construir três unidades por meio de uma PPP (Foto: Carlos Alberto Pereira/Imprensa MG)

O governo estadual de São Paulo pretende contratar empresas privadas para a construção e administração de três penitenciárias. A Secretaria de Administração Penitenciária do Estado de São Paulo aguarda apenas a definição de quais terrenos receberão as unidades para lançar o edital da PPP (Parceria Público-Privada).

Em troca da construção e administração dos presídios pela iniciativa privada, o governo paulista irá pagar um valor mensal por cada pena e será responsável pela fiscalização das unidades. Ao todo, os novos presídios terão capacidade para 10,5 mil presos, divididos em 3,3 mil vagas para presos em regime semiaberto e 7,2 mil para o regime fechado. O contrato da PPP deve durar entre 27 e 33 anos. Após este período, os presídios voltam para a administração pública.

“Além da capacidade de investimento, a iniciativa privada tem maior facilidade para contratar funcionários e mantê-los nas unidades. A contratação de médicos, por exemplo, é uma enorme dificuldade atual no sistema, situação que pode ser resolvida com um modelo público-privado” disse Lourival Gomes, secretário de Administração Penitenciária, em entrevista ao jornal O Estado de S.Paulo.

Inicialmente, o governo paulista buscava terrenos em cidades localizadas dentro de um raio de 60km de São Paulo, mas teve dificuldades para encontrar áreas disponíveis e ampliou este limite para 100km.

O modelo de PPPs para a construção e administração de presídios já foi colocado em prática em Minas Gerais. Foram investidos R$ 280 milhões na construção de cinco unidades. Dentre elas, uma já está funcionando e o estado paga mensalmente R$ 2,7 mil por preso. Também existem projetos de penitenciárias privadas em Canoas (RS) E Itaguatinga (PE), mas nenhum está concluído.

Em São Paulo ainda não existe definição dos valores que serão investidos. Segundo Gomes, um presídio com 768 vagas custa entre R$ 37 e R$ 40 milhões. Hoje, o Estado gasta em média R$ 1.350 mensais por preso.

Segundo Patrick Cacicedo, coordenador do Núcleo de Situação Carcerária da Defensoria Pública de São Paulo, a construção de presídios privados é inconstitucional, uma vez que é do estado o dever de executar a pena dos presos. Cacicedo também defende que a iniciativa pode contribuir para aumentar o encarceramento em São Paulo.

“A privatização do sistema transforma o preso em mercadoria. Conforme as empresas assumem os negócios, quanto mais presos, maior o lucro. Nos Estados Unidos, isso fez com que aumentasse o lobby para o endurecimento das penas e contribuiu para o boom do encarceramento. Com os nossos congressistas populistas pode ocorrer o mesmo”, disse o representante da Defensoria ao jornal O Estado de S.Paulo.

Com informações do jornal O Estado de S.Paulo. 


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum