Entrevista exclusiva com Lula
17 de dezembro de 2012, 17h41

STF cassa mandatos de réus condenados na Ação Penal 470

Medida pode gerar uma crise institucional entre os poderes Legislativo e Judiciário

Medida pode gerar uma crise institucional entre os poderes Legislativo e Judiciário

Da Redação

Ministro Celso de Mello deu voto decisivo favorável a cassação dos mandatos dos réus condenados no julgamento da Ação Penal 470 (Foto: Nelson Jr./SCO/STF)

O STF (Supremo Tribunal Federal) decidiu nesta segunda feira, 17, pela cassação dos mandatos dos deputados federais condenados no julgamento da Ação Penal 470, o chamado “mensalão”.

Tiveram os mandatos cassados os deputados João Paulo Cunha (PT-SP), Valdemar Costa Neto (PR-SP) e Pedro Henry (PP-MT), além do atual prefeito de Jandaia do Sul, José Borba (PP).

A cassação ou não dos mandatos pelo STF dividiu os ministros. Luiz Fux, Gilmar Mendes, Marco Aurélio Mello e Celso de Mello seguiram o voto do relator, Joaquim Barbosa, e defenderam que o STF tem poder para cassar mandatos. Estes já haviam votado no último dia 10 de dezembro. O ministro Celso de Mello, devido a uma pneumonia, votou somente nesta segunda-feira. O decano da corte também votou de forma favorável à cassação dos mandatos pelo STF.

Por outro lado, os ministros Cármen Lúcia, Dias Toffoli e Rosa Weber, seguiram o voto do revisor, Ricardo Lewandowski, que sustentou que cabe somente ao Legislativo a decisão sobre os mandatos dos condenados.

Ao contrário do que tinha sustentado em um processo semelhante em 2002, o ministro Celso de Mello sustentou que cabe ao Judiciário “promover e proceder à execução do seu próprio julgado”. Segundo o ministro, a perda os direitos políticos dos condenados, uma vez cassados, determinam também a perda automática dos mandatos após a publicação das penas. “A perda do mandato é uma decisão direta e automática, gerada pela decisão judicial transitada em julgado. Eu acompanho Vossa Excelência [o ministro relator, Joaquim Barbosa] quando reconhece que a posse plena dos direitos políticos atua como pressuposto legitimador para se manter no cargo de parlamentar”, sustentou o ministro.

Em 2002, em um recurso que julgava se o mandato de um vereador eleito poderia ser cassado pelo STF, Celso de Melo votou contra a cassação do mandato pelo Supremo. Veja um trecho do voto do ministro Celso de Mello na época:

“(…) É que o congressista, enquanto perdurar o seu mandato, só poderá ser deste excepcionalmente privado, em ocorrendo condenação penal transitada em julgado, por efeito exclusivo de deliberação tomada pelo voto secreto e pela maioria absoluta dos membros de sua própria Casa Legislativa”, declarou o ministro em 2002. 

A ministra Carmem Lúcia, voto vencido, descordou da tese da maioria dos ministros e afirmou que compete apenas ao Legislativo decidir sobre a perda de mandato de um um politico que ocupe cargo eletivo. “A perda de mandato eletivo para efeito de condenação criminal não se confunde com a suspensão de direitos políticos. Assim, ainda que a suspensão seja efeito direto da condenação, a perda do mandato estará condicionada à manifestação da maioria absoluta da Casa Legislativa”, sustentou a ministra.

A decisão do STF pode gerar uma crise entre os poderes Legislativo e Judiciário, uma vez que o presidente da Câmara, deputado federal Marco Maia (PT), já sinalizou que não abre mão da prerrogativa de que cabe somente aos deputados federais a decisão sobre cassação de mandatos.


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum