“Tamo junto, sempre. Junto com o homem, nosso Mito”, diz Renato Gaúcho a Mourão

Novo técnico do Flamengo mandou mensagem a vice-presidente, que é torcedor do clube, e aproveitou para bajular Jair Bolsonaro, mesmo em meio à enxurrada de escândalos de corrupção de seu governo

Renato Gaúcho, ex-jogador e treinador, recém-contratado pelo Flamengo, divulgou um vídeo nas redes sociais dizendo “estar junto de Bolsonaro, nosso Mito”. A gravação é uma mensagem que foi enviada ao vice-presidente da República, general Hamilton Mourão, que é torcedor fanático do clube e que usa habitualmente uma máscara com o símbolo do rubro-negro carioca.

O apoio do boleiro vem num momento de clara implosão na popularidade do presidente, que seu nome e de membros do governo serem soterrados por inúmeros escândalos de corrupção, como nos casos das compras superfaturadas da vacina Covaxin e Sputnik-V e dos áudios revelados por sua ex-cunhada que o colocam como mentor do esquema de desvio de salários de servidores dos gabinetes parlamentares da família, as rachadinhas.

As últimas pesquisas de opinião mostram também que a população vem desembarcando de seu apoio a Bolsonaro. Para 70% dos brasileiros há corrupção em sua gestão, enquanto a maior parte dos eleitores classifica o chefe do Executivo como desonesto, falso, incompetente, despreparado, indeciso, autoritário e pouco inteligente, segundo dados do Datafolha.

O novo treinador do Flamengo não é o único a admirar o líder extremista brasileiro. O zagueiro Felipe Melo, do Palmeiras, e o técnico pentacampeão do mundo com a seleção Luiz Felipe Scolari, que até enalteceu o ditador Augusto Pinochet, em 1998, também já rasgaram elogios ao atual inquilino do Planalto.

Notícias relacionadas

Avatar de Henrique Rodrigues

Henrique Rodrigues

Jornalista e professor de Literatura Brasileira.

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR