Fórumcast, o podcast da Fórum
07 de julho de 2017, 09h13

Tchau, Temer. Em Brasília, governo é dado como acabado

Presidente da Câmara, Rodrigo Mais (DEM-RJ), já fala em manter equipe econômica em seu governo. Senador Cássio Cunha Lima (PSDB-PB) disse a investidores que em 15 dias o país terá novo presidente. Enquanto isso Temer está na Alemanha

 

Por Redação    Foto: Beto Barata/PR/FotosPúblicas

 

As informações sobre a queda do presidente Temer nos próximos dias já estão em todos os lugares. A mais recente é que ontem o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), já discutia a manutenção da equipe econômica em seu provável futuro governo com o presidente do PSDB, Tasso Jereissati (PSDB-CE).

Na coluna Painel,  da Folha de S.Paulo, é atribuída ao senador Cássio Cunha Lima (PSDB-PB) conversa com investidores em que teria dito que, “se depender do processo na Câmara, dentro de 15 dias o país terá um novo presidente”. Afirma que a “instabilidade aumentou” com a prisão de Geddel Vieira Lima, o avanço da delação de Eduardo Cunha e a escolha de Sergio Zveiter (PMDB-RJ) como relator da denúncia na CCJ. Para ele uma ala dos tucanos rifou Michel Temer, “o governo caiu”, disse.

Além dessas conversas, o deputado do PMDB Jarbas Vasconcelos declarou publicamente que votará contra Temer. É um peemedebista histórico e o primeiro do partido do presidente a declarar em público essa posição. O ex-ministro de Temer, Roberto Freire, também disse que seu partido está estudando o que fazer, mas pode votar contra o presidente. “Eu estou caminhando também para uma posição dessas, mas como presidente do partido estou querendo discutir com a própria bancada para ver se existe uma posição de consenso”, afirma. Dos sete deputados do PSDB que estão na Comissão de Constituição da Câmara, onde o processo contra Temer será votado em primeiro lugar, seis já avisaram que vão votar contra o atual presidente.

Golpista é golpista —   Na posse de Gleisi Hoffmann como presidente do PT, nesta semana, o presidente Lula também disse que Rodrigo Maia está se preparando para ser o próximo presidente, mas que ele é um “seguidor do golpe. “Não podemos achar que um golpista é melhor que outro. Golpista é golpista”, disse. Lembrando que é necessário continuar lutando por eleições diretas para presidente se Temer cair. “Temos de ter eleições diretas, se quiserem ganhar que ganhem no voto”. Também afirmou que a unidade na esquerda para construir uma candidatura é quase uma obrigação.

 


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum