TCU cobra de Pazuello plano para enfrentar variante do novo coronavírus

Ministro terá de responder o que está sendo feito para mapear novas cepas do vírus, ações para evitar entrada de novas linhagens no país, entre outros pontos; sete estados já identificaram pacientes com a variante

O Tribunal de Contas da União (TCU) enviou ofício ao Ministério da Saúde para que a pasta explique quais ações têm tomado em relação a novas linhagens do coronavírus causador da Covid-19, o Sars-Cov-2. O documento foi elaborado pelo ministro Benjamin Zymler, do TCU. Na quarta-feira (3), o envio do ofício foi autorizado. Eduardo Pazuello, ministro da Saúde, terá até sete dias para responder.

Entre os questionamentos, o TCU quer saber o que o ministério está fazendo para identificar, acompanhar, mapear e rastrear novas cepas do do Sars-CoV-2. O tribunal quer saber o quais ações e protocolos estão sendo adotados nesse sentido, em parceria com instituições de pesquisa.

Outro ponto que Pazuello terá de responder é se há programa de testagem para identificar a disseminação de novas variantes do vírus no país.

Zymler ainda quer saber qual o entendimento do Ministério da Saúde sobre a necessidade de “definir orientações específicas para o manejo de pacientes transferidos do Amazonas para outros estados”, para barrar a disseminação das novas variantes do novo coronavírus Sars-CoV-2 no país.

A variante P.1, identificada primeiramente em Manaus, é mais contagiosa, segundo estudos. Ela teria sido responsável pelo aumento dos casos de Covid-19 na capital amazonense nas últimas semanas. Isso levou a um colapso no sistema hospitalar da cidade, com aumento brutal no consumo de oxigênio, levando à falta do insumo. Para minimizar esses problemas, dezenas de pacientes de Manaus foram transferidos a outros estados do país.

A Bahia divulgou, nesta sexta-feira (5), que identificou dez pacientes infectados com a nova variante P.1 no estado. Com isso, já são sete os estados em que ela foi detectada no país. Os outros são Amazonas, Pará, São Paulo, Rio de Janeiro, Sergipe e Roraima.

Impedir entrada no país

O ofício do TCU também questiona o Ministério da Saúde sobre ações destinadas a impedir a entrada e a disseminação de novas cepas do Sars-CoV-2 pelo país. O tribunal detalha o questionamento, querendo saber se há iniciativas do tipo em portos e aeroportos.

Outro questionamento que o TCU fez ao ministério foi qual a necessidade que a pasta vê de comunicar a população em relação à identificação de  variantes. Também quer saber a orientação quanto às condutas a serem seguidas para impedir a transmissão do vírus.

Por fim, o dilema das vacinas. O TCU quer saber quais as ações para elaboração de plano de gestão de riscos para o caso de as vacinas adquiridas não serem efetivas contra as novas cepas identificadas. E, ainda, o que está sendo feito para garantir a aquisição de imunizantes que ofereçam proteção contra cepas do novo coronavírus recentemente identificadas. 

Avatar de Fabíola Salani

Fabíola Salani

Graduada em Jornalismo pela Universidade Metodista de São Paulo. Trabalhou por mais de 20 anos na Folha de S. Paulo e no Metro Jornal, cobrindo cidades, economia, mobilidade, meio ambiente e política.