Entrevista exclusiva com Lula
24 de julho de 2016, 10h52

Teoria conspiratória? A crítica da ombudsman da Folha ao ‘sumiço’ das perguntas no Datafolha

A análise, de novo, é omissa: o erro, como vai se mostrar adiante, pontualmente, na narração da ombudsman, mostra que é inveraz a alegação, já por si insustentável, de que o jornal resolveu “desconsiderar” a pergunta. Não é o certo: ele a eliminou deliberadamente, para sustentar a versão que apresentou aos leitores.

A análise, de novo, é omissa: o erro, como vai se mostrar adiante, pontualmente, na narração da ombudsman, mostra que é inveraz a alegação, já por si insustentável, de que o jornal resolveu “desconsiderar” a pergunta. Não é o certo: ele a eliminou deliberadamente, para sustentar a versão que apresentou aos leitores

Por Fernando Brito, no Tijolaço

A ombudsman da Folha, Paula Cesarino Costa, relata, na sua coluna de hoje, a história do “desaparecimento” da pergunta da pesquisa Datafolha sobre o desejo de 62% dos brasileiros de que se convoquem novas eleições, extirpada na divulgação feita pela Folha, para dizer que “50%dos entrevistados” queriam a continuidade de Michel Temer.

A questão, como se sabe, foi levantada por Glenn Grenwald e Erick Dau, no The Intercept. Com o trabalho deles, este Tijolaço pôde colaborar, descobrindo o relatório original (ou quase) da pesquisa onde consta a pergunta e a tabulação das respostas que revelam a “abdução” de resultado que contradizia as conclusões que o jornal apresentava para a pesquisa.

O relato é quase correto, como você verá no texto, que reproduzo ao final.

No entanto, a análise, de novo, é omissa: o erro, como vai se mostrar adiante, pontualmente, na narração da ombudsman, mostra que é inveraz a alegação, já por si insustentável, de que o jornal resolveu “desconsiderar” a pergunta.

Não é o certo: ele a eliminou deliberadamente, para sustentar a versão que apresentou aos leitores. Não é, pois, questão de erro ou incompetência, mas de imposição da versão conveniente para o jornal em prejuízo da verdade dos fatos.

Paula diz, com grifos meus:

Para alimentar teorias conspiratórias, revelou-se que o Datafolha colocou em seu site mais de uma versão do relatório da pesquisa polêmica, sendo que em só uma delas constavam as duas perguntas. O instituto explica que faz um relatório completo para a Redação, mas divulga no site apenas o que saiu no jornal. No caso, o primeiro documento continha, por falha, título sobre a pergunta 14, ausente do relatório por não ter sido usada.

Não, Paula.

O documento que continha “por falha” o título (na verdade, subtítulo) sobre 60% desejarem nova eleição não é o primeiro.

Tanto que o arquivo que o contém, como cansei de destacar aqui, desde o primeiro post, terminava com um “v2”, o que indica, óbvio, que era a segunda versão. Difere do primeiro documento, – aquele que contém a pergunta, de número 14 e aos seus resultados, bem como a de número 11, que indaga sobre a legalidade ou ilegalidade da condução do processo de impeachment.

Mesmo este documento – a versão 2, que recuperamos, a mais completa –, já tem um “descarte” de perguntas – cujo conteúdo, agora, passou a ser indispensável revelar. Faltam vir à tona oito perguntas: 4, 5, 15, 16, 17, 20, 29 e 34, como registrou a jornalista Leticia Sallorenzo que, neste blog, antes da descoberta, sistematizou e questionou o sumiço de perguntas.

Ou seja: na melhor das hipóteses, teríamos eu admitir que as perguntas eliminadas neles não tivessem “interesse jornalístico”. Mas a própria ombudsman registra (o grifo, outra vez, é meu) que participou da elaboração de questionários e que neles não entram perguntas ociosas:

Quando secretária de Redação e editora de Política, participei da elaboração de incontáveis questionários de pesquisas Datafolha. Com a limitação técnica de quantidade de perguntas, cada uma precisa ser muito bem pensada e escolhida. Não há justificativa para colocar uma pergunta e depois ignorá-la.

As oito perguntas ainda “sumidas” (Paula fala de uma; os fatos mostram que são oito, ainda) representam um quinto das perguntas formuladas!

Os fatos estão documentalmente estabelecidos.Revelá-los foi jornalismo, não algo “para alimentar teorias conspiratórias”, como ela escreve.

Paula diz que “a questão central está na acusação de o jornal ter omitido, deliberadamente, que a maioria dos entrevistados (62%) pelo Datafolha se disseram favoráveis a novas eleições presidenciais, em cenário provocado pela renúncia de Dilma Rousseff e Michel Temer.”

Pois a questão central, permito-me dizer, não é mais “se”, mas “por que” se fez a extirpação das perguntas e das repostas e colocou-se apenas aquelas que pareciam indicar o sentido oposto.

E esta questão está para ser respondida por quem faz a crítica do episódio.

A meu ver, o jornal cometeu grave erro de avaliação. Não se preocupou em explorar os diversos pontos de vista que o material permitia, de modo a manter postura jornalística equidistante das paixões políticas. Tendo a chance de reparar o erro, encastelou-se na lógica da praxe e da suposta falta de apelo noticioso.

Não foi o caso de não se preocupar em “explorar os diversos pontos de vista que o material permitia”, mas o de deliberadamente omitir do conhecimento público. E o deliberado também se prova, quando está claramente estabelecido que se fez uma segunda versão do relatório para eliminar as perguntas e os resultados das respostas.

Não foi a “lógica da praxe e da suposta falta de apelo noticioso”, tanto que a equipe do Datafolha que elaborou o resumo descritivo colocou em dois parágrafos, logo a seguir à abertura da análise, o que as perguntas “abduzidas” revelavam da opinião dos entrevistados. E não as considerou “irrelevantes”, tanto que mencionou seu resultado no subtítulo que, esquecidos de mudar na versão “ajustada”, deu a pista para a revelação de sua existência.

Não houve um simples erro, casual e desatento. Houve uma ação para eliminar informação que o próprio Datafolha considerou relevante, ao ponto da analisá-la e levá-la ao subtítulo de seu relatório.

E o nome disso é fraude, em bom português.

Fraudou, foi apanhada e, em lugar de assumir que alguém agiu errado e corrigir-se, saiu-se com explicações também fraudulentas.

A Folha errou e persistiu no erro

Paula Cesarino Costa, ombudsman da Folha

Fundado em 1983, o instituto de pesquisas Datafolha, pertencente ao Grupo Folha, acumulou um patrimônio de qualidade técnica, arrojo de abordagem e interpretação de dados isenta. Sua credibilidade foi construída em trabalho conjunto com a Redação. Introjetou-se de tal forma no jornal que uma crítica antiga à Folha é a de ser um jornal “data-dependente”.

Dito isso, é preciso reconhecer que a semana que passou foi amarga para o Datafolha e para a Folha.

Desde que assumi o mandato, nenhum assunto mobilizou tanto os leitores. Do total de mensagens recebidas desde quarta-feira, 62% foram críticas e acusações ao jornal.

Variavam de fraude jornalística e manipulação de resultados a pura e simples má-fé, passando por sonegação de informação e interpretação tendenciosa.

A questão central está na acusação de o jornal ter omitido, deliberadamente, que a maioria dos entrevistados (62%) pelo Datafolha se disseram favoráveis a novas eleições presidenciais, em cenário provocado pela renúncia de Dilma Rousseff e Michel Temer.

Optou por destacar que 50% preferiam a permanência de Temer à volta de Dilma, em questão que, mesmo sem haver essa hipótese, 3% disseram defender novas eleições.

As perguntas 11, 13 e 14 do questionário do Datafolha (leia a seguir) tornaram-se objeto de vigorosa controvérsia.

Os sites The Intercept, do jornalista Glenn Greenwald, e Tijolaço, do jornalista Fernando Brito, acusaram a Folha de “fraude jornalística com pesquisa manipulada visando alavancar Temer”.

Em trabalho complementar, comprovaram que o jornal omitira da reportagem e do questionário divulgado no site do Datafolha questão proposta aos entrevistados sobre a convocação de novas eleições.

Outra pergunta também foi omitida. Esta pedia aos entrevistados que avaliassem se o processo de impeachment está seguindo as regras democráticas e a Constituição: 49% disseram que sim; 37% que não.

Para alimentar teorias conspiratórias, revelou-se que o Datafolha colocou em seu site mais de uma versão do relatório da pesquisa polêmica, sendo que em só uma delas constavam as duas perguntas. O instituto explica que faz um relatório completo para a Redação, mas divulga no site apenas o que saiu no jornal. No caso, o primeiro documento continha, por falha, título sobre a pergunta 14, ausente do relatório por não ter sido usada.

Diante da polêmica, Folha e Datafolha optaram por divulgar link para o relatório completo.

Reveladas as omissões e estabelecida a confusão, o editor-executivo do jornal, Sérgio Dávila, disse que o resultado da questão sobre a dupla renúncia de Dilma e Temer não pareceu especialmente noticioso, por repetir uma tendência, além de o jornal considerar tratar-se de cenário político pouco provável.

Leitores discordaram: “A Folha me pareceu escapar pela tangente, com respostas vagas”, disse Eduardo Ottoni. “Os argumentos chegam a ser até um insulto à inteligência do leitor”, afirmou Márcia Meireles. “A Folha errou, é tão grave assumir seus erros?”, questionou.

A ombudsman resumiu as críticas dos leitores ao editor-executivo. Dávila argumentou que “o único cenário concreto à frente é o Senado decidir se Dilma Rousseff volta a exercer o cargo de presidente da República ou se Michel Temer continua a exercê-lo. Não há terceira opção além dos dois desfechos possíveis. (…) Faz parte da boa prática jornalística não publicar o que é pouco relevante”.

Dávila lembrou que a Folha frequentemente publica uma fração das pesquisas, “nunca sua íntegra”.

Discordo em muitos pontos do editor-executivo. Quando a Folha, em editorial de Primeira Página em 3 de abril, defendeu a renúncia de Dilma e de Temer e a convocação de nova eleição, também esse não era um cenário provável.

Se a possibilidade de dupla renúncia não era mais levada em conta, por que então a questão foi incluída na pesquisa? O questionário já foi elaborado nesse cenário. A repetição de tendência como argumento para não publicar o resultado é incoerente com a prática do jornal por anos a fio.

Quando secretária de Redação e editora de Política, participei da elaboração de incontáveis questionários de pesquisas Datafolha. Com a limitação técnica de quantidade de perguntas, cada uma precisa ser muito bem pensada e escolhida. Não há justificativa para colocar uma pergunta e depois ignorá-la.

Na crítica que circula diariamente na Redação, questionei a abordagem da pesquisa, feita pelo jornal, subaproveitando temas políticos, ao destacar em manchete o otimismo com a economia. Reveladas as omissões, lamentei a forma como o jornal enfrentou a polêmica. Sugeri que reconhecesse seu erro editorial e destacasse os números ausentes da pesquisa em nova reportagem.

A meu ver, o jornal cometeu grave erro de avaliação. Não se preocupou em explorar os diversos pontos de vista que o material permitia, de modo a manter postura jornalística equidistante das paixões políticas. Tendo a chance de reparar o erro, encastelou-se na lógica da praxe e da suposta falta de apelo noticioso.

A reação pouco transparente, lenta e de quase desprezo às falhas e omissões apontadas maculou a imagem da Folha e de seu instituto de pesquisas. A Folha errou e persistiu no erro.

perguntas1

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

perguntas2


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum