Fórumcast #19
21 de setembro de 2013, 17h23

Testemunhas do caso Amarildo estão sob proteção federal

Adolescente de 16 anos e sua mãe foram retirados do Rio de Janeiro pela Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República

Adolescente de 16 anos e sua mãe foram retirados do Rio de Janeiro pela Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República 

Da Redação

A Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República, com ajuda da Polícia Federal, retirou do Rio de Janeiro na madrugada deste sábado, 21, duas testemunhas do inquérito que investiga o desaparecimento do pedreiro Amarildo de Souza, morador da Rocinha. As testemunhas, um adolescente de 16 anos e sua mãe, pediram para entrar no Programa de Proteção à Criança e ao Adolescente Ameaçado de Morte.

De acordo com a Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República, o pedido será analisado no máximo em uma semana, mas como as testemunhas estavam recebendo ameaças de morte, a pasta optou por já levá-los da capital fluminense para um destino não revelado em outro estado.

O adolescente afirmou inicialmente, em depoimento, que Amarildo de Souza foi morto por um traficante da Rocinha. Porém, em outro depoimento, o jovem disse que foi coagido pela Polícia Militar para acusar o traficante.

Veja também:  Justiça rejeita ação do MPF que visa derrubar lista tríplice para reitoria da UFGD

O pedreiro Amarildo de Souza desapareceu no dia 14 de julho, quando foi visto pela última vez sob custódia da Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) da Rocinha. O caso ganhou grande repercusão e tornou-se uma cobrança presente em diversas manifestações pelo Brasil:  “Cadê o Amarildo?“

Segundo dados da Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República, desde quando foi criado, em 2003, o Programa de Proteção a Crianças e Adolescentes Ameaçados de Morte já acolheu 2.983 crianças e adolescentes e 4.083 familiares.

(Foto de capa: Fernando Frazão/ABr) 


Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum