Fórumcast #20
03 de junho de 2017, 14h33

Torturra: É forçar a barra dizer que as pessoas que estão produzindo o ato da Diretas são antipolíticas

Todo meu respeito, apoio e agradecimento a quem se oferece às ruas nesse momento. Sejam partidos, sindicatos, coletivos, autonomistas, anarquistas.

Por Bruno Torturra

Não estarei em SP amanhã. Uma pena. Queria estar presente no ato e os shows por Diretas Já. Torço por um grande sucesso no Largo da Batata.

Acompanhei de longe muitas críticas – e alguma desqualificação gratuita – à suposta rejeição aos partidos e sindicatos. No geral não achei justo com os organizadores e artistas envolvidos. Até porque não houve rejeição alguma. Só li declarações de respeito e abertura aos movimentos supostamente “expulsos” do ato (li isso algumas vezes).

Mas achei especialmente injusta a comparação com o antipartidarismo oportunista que contaminou Junho e gerou movimentos sombrios nas ruas a partir de então.

Você pode preferir formas clássicas de organização política. Você pode preferir uma manifestação com o léxico e estética da esquerda. Você pode até não simpatizar com pessoas e grupos puxando esse ato de amanhã. E tudo certo. Mas é forçar a barra dizer que as pessoas que estão produzindo o evento são antipolíticas.

Biograficamente isso não é verdade. Ou ainda: que um ato protagonizado por músicos e blocos – e não lideranças políticas ou sindicais – seja uma micareta. Sério mesmo?

Veja também:  Atriz Fernanda Torres critica, na Globo, política de extermínio de Witzel

Esses artistas são dos poucos que sempre se posicionaram, sempre se arriscaram diante da opinião pública, sempre estiveram do lado, inclusive, dos sindicatos e movimentos sociais quando foram chamados às ruas. E estão entendendo, como muitos de nós, que é preciso sim abrir mais o campo, ampliar o discurso, a estética e os atores envolvidos na pressão pública por diretas e pela queda de Temer.

Há riscos? Sem dúvida. Há riscos ainda maiores em não tentar algo novo. Nesse apego estético que, a esse ponto, serve mais para afirmar identidades do que um projeto político.

E há ainda mais risco em não fazer nada.

Por isso, todo meu respeito, apoio e agradecimento a quem se oferece às ruas nesse momento. Sejam partidos, sindicatos, coletivos, autonomistas, anarquistas. Ou artistas, produtores e carnavalescos a fim de assumir a responsabilidade de ajudar a derrubar esse verme que infecta o Palácio do Planalto.

Fora Temer. E Diretas Já.

 


Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum