Seja #sóciofórum. Clique aqui e saiba como
28 de janeiro de 2020, 20h11

Trump propõe “acordo do século” entre Israel e Palestina

A apresentação do plano aconteceu em uma coletiva na Casa Branca, na qual estavam Trump e o primeiro-ministro israelense Benjamin Netanyahu. Não havia nenhum representante da Autoridade Palestina. Essa ausência colocou ainda mais dúvidas a respeito do equilíbrio do acordo alcançado pelo mandatário estadunidense.

Trump e Netanyahu (Reprodução)

“Acordo do século” foi a alcunha que o presidente estadunidense Donald Trump utilizou nesta terça-feira (28), ao anunciar o plano de paz que, segundo ele, “resolverá definitivamente o conflito entre Israel e Palestina”.

O projeto estadunidense fala em reconhecimento da existência dos dois estados, um Estado Palestino com capital em Jerusalém do Leste, e um Estado de Israel que alcançaria o reconhecimento internacional dos assentamentos israelenses que são questionados por diversas entidades favoráveis à causa palestina, por estarem em territórios que deveriam ser desse povo árabe, segundo os acordos internacionais estabelecidos em 1967.

Além disso, o acordo prevê que os assentamentos israelenses em território que os palestinos reclamam como seu continuarão se alastrando durante os próximos quatro anos, e só então teriam sua expansão congelada. Outro tema polêmico é que o acordo permitiria que Israel continue controlando os sítios históricos da antiga Jerusalém, incluindo zonas onde estão mesquitas históricas para o povo muçulmano.

A apresentação do plano aconteceu em uma coletiva na Casa Branca, na qual estavam Trump e o primeiro-ministro israelense Benjamin Netanyahu. Não havia nenhum representante da Autoridade Nacional Palestina. Essa ausência colocou ainda mais dúvidas a respeito do equilíbrio do acordo alcançado pelo mandatário estadunidense.

Aliás, essa ausência se deu só dentro da Casa Branca, pois já existe reação palestina ao acordo, e por enquanto não é nada favorável. Sami Abu Zuhri, um dos porta-vozes do movimento Hamas, qualificou o projeto de “absurdo e arrogante”.

Um reporte do diário estadunidense New York Times incluiu uma sondagem feita com alguns palestinos antes do anúncio – o diário sabia de alguns conteúdos da proposta e foi apresentando eles aos entrevistados. O resultado foi que a maioria das pessoas se mostrou contra o plano de Trump, inclusive se ele incluísse um apoio financeiro de 50 bilhões de dólares.


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum