Ouça o Fórumcast, o podcast da Fórum
21 de dezembro de 2013, 17h34

Tuma Jr., o novo herói da imprensa

O que o torna autor com credibilidade é o conteúdo das denúncias: não é preciso apelar para a imaginação para constatar o critério usado pela imprensa para definir o que é ou o que não é notícia

O que o torna autor com credibilidade é o conteúdo das denúncias: não é preciso apelar para a imaginação para constatar o critério usado pela imprensa para definir o que é ou o que não é notícia

Por Luciano Martins Costa, do Observatório da Imprensa

A edição de sexta-feira (20/12) da Folha de S. Paulo oferece espaço generoso para o livro do delegado aposentado Romeu Tuma Jr. (Assassinato de Reputações – Um Crime de Estado, Editora Topbooks), no qual, segundo a reportagem, constam denúncias de que agentes da Polícia Federal e da Agência Brasileira de Informações eram encarregados de produzir dossiês contra adversários do governo a partir de 2007, bisbilhotando até mesmo ministros do Supremo Tribunal Federal.

Um dos trechos mais polêmicos do livro seria a afirmação de que o ex-presidente Lula da Silva teria sido informante do sistema de repressão na época em que dirigia o Sindicato dos Metalúrgicos do ABC.

A reputação do ex-delegado junto à imprensa era muito baixa até o lançamento do livro, conforme se pode observar nos arquivos de notícias a seu respeito (Marcello Casal Jr/ABr)

O jornal paulista não coloca em dúvida essa afirmação do ex-delegado. Apenas observa, num quadro, que Tuma Jr. teria acesso a essa indiscrição por ter sido investigador no Dops. Segundo sua versão, apenas ele, seu pai e o ex-ministro Golbery do Couto e Silva teriam conhecimento dessa suposta condição do então líder operário. Como os dois outros personagens já morreram, fica o dito a ser comprovado pelo denunciante e investigado pela imprensa.

Em outras circunstâncias, nas quais se poderia esperar algum compromisso da Folha de S.Paulo com a busca da verdade, algum repórter teria sido despachado em busca de outras fontes que pudessem trazer indícios sobre a verossimilhança das acusações contidas no livro.

Jornalistas veteranos que tiveram acesso ao Serviço Nacional de Informações no final dos anos 1970 e começo dos anos 1980 considerariam essa denúncia no mínimo fantasiosa. Para qualquer jornalista que tenha tido conversas privadas com o general Arnaldo de Carvalho Braga, então chefe do SNI em São Paulo, naquele período, a hipótese de Lula da Silva ter sido informante do Dops soaria no mínimo bizarra: Lula era considerado um dos mais perigosos inimigos do regime, por sua capacidade de mobilização, seu prestígio internacional e sua recusa ao uso da violência.

No mais, registre-se que a Folha, afinal, chama o regime de exceção por seu nome próprio: no primeiro parágrafo do texto, o jornal usa a expressão “ditadura militar”, abandonando aquela patética versão da “ditabranda”.

O outro livro

As acusações de Romeu Tuma Jr. devem ser tomadas em seu valor relativo, uma vez que o autor tem motivos de sobra para desaguar seu pote de mágoas e anda necessitado de mídia para se lançar candidato a deputado federal.

Após uma carreira à sombra do pai, conseguiu a melhor posição na vida pública, como titular da Secretaria Nacional de Justiça, quando o então senador se aproximou de Lula, já presidente, por conta da aliança de sustentação parlamentar do governo. Tuma Jr. foi afastado do cargo sob a acusação de nepotismo e suspeita de ligação com o chefe de uma quadrilha de contrabandistas, e afinal inocentado por falta de provas.

A reputação do ex-delegado junto à imprensa era muito baixa até o lançamento do livro, conforme se pode observar nos arquivos de notícias a seu respeito. O que o torna autor com credibilidade é o conteúdo das denúncias: não é preciso apelar para a imaginação para constatar o critério usado pela imprensa brasileira para definir o que é ou o que não é notícia.

Tuma Jr. representa o oposto do que ocorreu com o jornalista Amaury Ribeiro Jr. Ganhador do Prêmio Esso de Jornalismo em duas ocasiões, quatro vezes vencedor do Prêmio Vladimir Herzog, Ribeiro Jr. entrou no index prohibitorum da mídia após publicar o livro intitulado A Privataria Tucana.

A obra de Ribeiro Jr. foi ignorada pelos jornais, pelas duas revistas semanais de maior circulação, pelos principais noticiosos da televisão e do rádio, mesmo tendo sido finalista do prêmio Jabuti, da Câmara Brasileira do Livro, e de ter permanecido entre os livros mais vendidos nas semanas seguintes à sua publicação, em 2010.

Resultado de doze anos de investigações, com a compilação de 140 páginas de documentos sobre supostos casos de desvio de dinheiro em privatizações realizadas durante os governos de Fernando Henrique Cardoso, o trabalho do jornalista só teve repercussão em blogs e sites da internet não ligados aos grandes grupos de comunicação.

O livro de Romeu Tuma Jr., produzido em uma série de depoimentos para um jornalista, deveria merecer um trabalho investigativo por parte da imprensa, assim como o livro de Amaury Ribeiro Jr., que resultou de um longo trabalho de reportagem. Ao produzir a resenha engajada de um e ignorar o outro, a imprensa justifica a suspeita de que suas pautas são movidas por interesses partidários.


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum