Twitter suspende conta de Donald Trump permanentemente

Plataforma diz que tomou medida diante do risco de mais incitação à violência, após análise dos tuítes recentes, inclusive o anúncio de que não iria à posse do sucessor, Joe Biden

O Twitter anunciou nesta sexta-feira (8) que suspendeu de maneira permanente a conta do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, na rede social.

A plataforma justificou a medida dizendo que, “após uma análise detalhada dos tuítes recentes da conta @realDonaldTrump e do contexto em torno deles – especificamente como estão sendo recebidos e interpretados dentro e fora do Twitter – suspendemos permanentemente a conta devido ao risco de mais incitação à violência”. 

Leia também: Mark Zukerberg bane Donald Trump “indefinidamente” do Facebook e Instagram

Uma das publicações que levaram à decisão drástica foi aquela em que Trump comunicou oficialmente, nesta sexta-feira, que não comparecerá à posse de seu sucessor, o democrata Joe Biden. O Twitter avaliou que o post estava sendo interpretado por vários dos apoiadores de Trump “como mais uma confirmação de que a eleição não foi legítima”. Além disso, a plataforma escreveu que entende que ele “pode servir de incentivo para aqueles que potencialmente consideram atos violentos de que a posse seria um alvo ‘seguro’, pois ele não comparecerá”.

Invasão do Congresso e suspensão temporária 

A conta havia sido suspensa por 12 horas na última quarta-feira (6), depois que a rede social considerou que as publicações do republicano naquele dia continham “repetidas e graves violações à política de integridade cívica”.

Os posts colocavam em xeque o resultado das eleições presidenciais de 2020, que terminaram com sua derrota e a vitória de Biden, e incitavam seus seguidores a não o aceitarem.

Naquele dia, seus apoiadores invadiram o prédio do Congresso dos EUA para barrar a certificação do resultado. Isso depois de um discurso em que o próprio Trump os estimulou a marcharem para o Capitólio.  

Quando recuperou o acesso à conta, na noite de quinta (7), Trump postou um vídeo em que condenava a invasão ao Congresso. Além disso, ele prometia uma “transição de poder pacífica” e dizia que “este momento exige cicatrização e reconciliação”.

A gota dágua

Mas, depois desse vídeo aparentemente conciliador, Trump voltou à carga nesta sexta-feira com duas publicações. Na primeira, ele escreveu: “Os 75 milhões de grandes patriotas americanos que votaram em mim terão uma VOZ GIGANTE por muito tempo no futuro. Eles não serão desrespeitados ou tratados injustamente de nenhuma forma!” A publicação ainda continha seus slogans de campanha: AMERICA FIRST, e MAKE AMERICA GREAT AGAIN.

Pouco depois, o presidente tuitou que não iria à posse de Biden no dia 20 de janeiro.

“Devido às tensões em curso nos Estados Unidos e um aumento na conversa global em relação às pessoas que invadiram violentamente o Capitólio em 6 de janeiro de 2021, esses dois tuítes devem ser lidos no contexto de eventos mais amplos no país e nas maneiras pelas quais as declarações do presidente podem ser mobilizadas por diferentes públicos, inclusive para incitar a violência, bem como no contexto do padrão de comportamento desse relato nas últimas semanas”, escreveu o Twitter.

Por isso, depois de avaliar a linguagem das duas publicações, a plataforma determinou que elas violam sua Política de Glorificação da Violência.

Desta forma, concluiu, “o usuário @realDonaldTrump deve ser imediatamente suspenso permanentemente do serviço”.

Avatar de Fabíola Salani

Fabíola Salani

Graduada em Jornalismo pela Universidade Metodista de São Paulo. Trabalhou por mais de 20 anos na Folha de S. Paulo e no Metro Jornal, cobrindo cidades, economia, mobilidade, meio ambiente e política.