Vacina de Oxford, “preferida de Bolsonaro”, terá matéria-prima da China, diz Anvisa

Em entrevista à CNN, diretor-presidente da agência afirma “é quase impossível” um produto feito 100% em um país

A vacina contra o novo coronavírus que está sendo desenvolvida pela Universidade Oxford com o laboratório AstraZeneca será fabricada, mesmo no Brasil, com insumos chineses. A afirmação foi feita pelo diretor-presidente da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), Antonio Barra Torres, em entrevista à CNN nesta quinta-feira (22).

O imunizante é o “preferido” do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) entre os desenvolvidos e em teste atualmente no país. No Brasil, quando for aprovado, o produto será fabricado pela Fiocruz.

“A vacina de Oxford irá trabalhar com insumos farmacêuticos vindos da China”, disse Torres à CNN. “O insumo farmacêutico é a farinha que faz o pão, ele é a base da vacina, um substrato básico. Hoje, no mundo, é quase impossível ter um produto feito 100% em um país, essa noção pertence ao passado”, afirmou ele à emissora.

A informação pode ser mais um componente na “guerra das vacinas” contra a Covid-19, que opõe Bolsonaro e Doria. Na terça-feira (20), o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, declarara que o governo iria comprar 46 milhões de doses da CoronaVac quando ela for aprovada.

A intenção, no entanto, foi vetada por seu chefe.

Na quarta-feira (21), o titular do Planalto disse que seu governo não comprará a CoronaVac, dose desenvolvida pela farmacêutica chinesa Sinovac. Ela é testada no Brasil pelo Instituto Butantan, ligado ao governo paulista de João Doria (PSDB). Ela foi chamada por Bolsonaro de “a vacina chinesa de João Doria”. O Butantan vai fabricá-la no país quando estiver aprovada.

Em entrevista à rádio Jovem Pan na quarta-feira, Bolsonaro disse que “lamentavelmente já existe um descrédito muito grande (sobre a China), até porque, como muitos dizem, esse vírus teria nascido lá”.

“A (vacina) da China nós não compraremos. É decisão minha”, disse ele na entrevista. Resta saber se vacinas fabricadas com insumos chineses serão igualmente vetadas.

Guerra das vacinas

Há uma disputa velada entre Doria e Bolsonaro no caso das vacinas contra o novo coronavírus. Cada um “apadrinhou” um imunizante entre os que estão sendo testados no Brasil. A avaliação é que aquele que for aprovado e aplicado primeiro trará ganho político a seu “mecenas”.

No caso de Doria, ele próprio traz executivos da Sinovac ao Brasil, mostra doses da vacina e abre espaço em suas entrevistas coletivas no Palácio dos Bandeirantes para que a evolução dos testes seja relatada. Em uma delas, assinou o protocolo de intenções de compra das doses quando estiverem aprovadas. Chegou a cravar a data de 15 de dezembro para início da imunização, mas agora ela foi descartada.

Já Bolsonaro não é tão ostensivo, mas seu governo já investiu recursos nos testes da vacina Oxford/AstraZeneca e é só dela que ele fala quando menciona pesquisas em desenvolvimento.

Avatar de Fabíola Salani

Fabíola Salani

Graduada em Jornalismo pela Universidade Metodista de São Paulo. Trabalhou por mais de 20 anos na Folha de S. Paulo e no Metro Jornal, cobrindo cidades, economia, mobilidade, meio ambiente e política.