Vídeo: “precisamos só fazer uma bela foto”, diz repórter da Veja após entrevista com Bolsonaro

Após mais de uma hora e meia de entrevista, jornalistas da Veja mostram-se satisfeitos com as frases de efeito de Bolsonaro, mas não com o figurino de "estadista" vendido na capa da publicação. "Você não acha que sou bonito, não?", brinca o presidente.

A imagem de estadista sóbrio que ilustra a capa da revista Veja desta semana está muito longe dos arroubos autoritários e desmazelo que Jair Bolsonaro (Sem partido) cultiva em seus quase três anos à frente da Presidência da República – e nos quase 30 no Congresso Nacional.

O vídeo da entrevista, divulgado pelo próprio Bolsonaro, no entanto, mostra que a imagem também está distante do figurino trajado para a conversa com os jornalistas Maurício Lima e Policarpo Júnior, este segundo chefe da Veja em Brasília – e que já foi acusado de acumular cargo como “funcionário” do bicheiro Carlinhos Cachoeira.

Ao final de mais de uma hora e meia de entrevista, os jornalistas sentem-se satisfeitos com as frases de efeito ditas pelo presidente – como a que estampa a publicação: “a chance de um golpe é zero” -, que mostram um Bolsonaro mais manso, disposto a seguir como marionete da aventura golpista que começou em 2014 em redações e luxuosas salas da elite brasileira.

No entanto, o desleixo do presidente ainda não faria jus à imagem que queria vender de Bolsonaro.

“Presidente, muito obrigado, foi ótimo”, diz um dos jornalistas, ressaltando, porém: “precisamos só fazer uma bela foto”.

Bolsonaro gargalha e, bem à vontade, emenda: “qualquer foto comigo… eu sou bonito, cara”. “Você não acha que sou bonito, não?”, indaga o presidente. “Lindo”, responde o jornalista da Veja.

Assista

Avatar de Plinio Teodoro

Plinio Teodoro

Jornalista, editor de Política da Fórum, especialista em comunicação e relações humanas.

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR