Fórumcast #19
12 de agosto de 2019, 12h54

Vitória de Fernández e Kirchner nas primárias causa pânico no sistema financeiro argentino

O peso argentino despencou 14% em relação ao dólar na abertura do mercado de câmbio nesta segunda-feira (12) em reação às primárias de domingo

Foto: Euronews

O peso argentino despencou 14% em relação ao dólar, na abertura do mercado de câmbio nesta segunda-feira (12). A reação veio em decorrência das primárias argentinas de domingo (11), em que a chapa de Alberto Fernández e Cristina Kirchner obteve grande vitória sobre o presidente liberal Mauricio Macri.

Em um dia de pânico no mercado, a moeda foi negociada a 53 pesos na abertura das casas de câmbio, 14% acima do fechamento da sexta-feira, quando foi cotada a 46,55.

Inscreva-se no nosso Canal do YouTube, ative o sininho e passe a assistir ao nosso conteúdo exclusivo.

Parte dessa reação do mercado se justifica pelo “acordão” que o Fundo Monetário Internacional (FMI) fez para defender a reeleição de Mauricio Macri, também beneficiando o candidato com o maior empréstimo da história do FMI. Além de louvar a política macrista, o Fundo ainda disse que o governo tem cumprido com os compromissos firmados com a entidade. As autoridades argentinas continuam mostrando um sólido vínculo com seu programa de política econômica e cumpriram todas as metas pertinentes no marco do plano respaldado pelo FMI. “Apesar de ter demorado, os esforços feitos em matéria de políticas estão começando a dar frutos”, diz o relatório. “A economia está começando a se recuperar gradualmente da recessão do ano passado”, completa.

Veja também:  Depois de pedir desculpas, Macri abaixa o tom e ensaia diálogo com Fernández

Macri atualmente enfrenta uma situação frágil em seu governo, com um índice de desemprego incontrolável e inflação instável. Em relatório sobre o país, o organismo reduziu a previsão de crescimento econômico para 2020 de 2,2% para 1,1% e aumentou de 1,2% para 1,3% a estimativa de queda do PIB. A principal causa para a mudança nos índices é exatamente, segundo o texto, “a incerteza por causa do período eleitoral que se avizinha”.

 


Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum