Wando (1945-2012): adeus a um grande artista popular

O folclore criado em torno de Wando -- que o próprio artista manipulou com maestria -- não deve obscurecer toda a riqueza e diversidade de sua arte.

O folclore criado em torno de Wando — que o próprio artista manipulou com maestria — não deve obscurecer toda a riqueza e diversidade de sua arte.

Por Idelber Avelar 

Morreu hoje, aos 66 anos, na CTI do Biocor de Nova Lima, Minas Gerais, um gigante da música brasileira: Wando, compositor de algumas pérolas conhecidas por uma legião de brasileiros, cantor de extraordinários recursos técnicos, exímio violonista, pioneiro no desbravamento de uma série de temas tabu durante a ditadura – como a homossexualidade ou a organização popular nas favelas –, Wando foi conhecido, sobretudo, como um artista de palco. Quem viu ao vivo, não se esquece. A partir do final dos anos 70, quando dá a guinada melosa-romântica com a qual ficaria conhecido, Wando desenvolve uma persona inconfundível. Galã e sedutor, ele passava longe da figura do machão. Era pura delicadeza. Levava o público feminino à loucura, mas não provocava nos homens temor ou desconforto. Tinha um jeito suave de desarmá-los. Associado ao “cafona” ou ao “brega”, era reconhecido – por qualquer um que tivesse prestado um mínimo de atenção – como um artista no nível dos grandes da música brasileira popular.

Natural do arraial de Bom Jardim, em Minas Gerais, e registrado em Cajuri, ao lado da velha ferrovia Leopoldina, Wanderley Alves dos Santos cursou o ensino fundamental em Juiz de Fora e daí foi para Volta Redonda. Trabalhou como leiteiro, feirante, motorista de caminhão. Estudou violão clássico, mas abandonou-o quando viu que o queria mesmo era “tocar para as moças”. Começou a fazer canções românticas e passou por uma etapa comum na época, os conjuntos de baile. Quando a música passou a “atrapalhar” na feira, Wando se mudou para Congonhas do Campo, em Minas Gerais, onde ficou durante cinco anos e pela primeira vez ganhou dinheiro com música, num grupo chamado “Escaravelhos”. Ainda em Congonhas, ele compôs o seu primeiro sucesso, que depois seria gravado por Jair Rodrigues: “O importante é ser fevereiro”, e logo depois se mudou para o Rio de Janeiro, levando emprestado, sem avisar, o violão de um amigo.

A passagem rápida pelo Rio não deu certo, e o começo mesmo viria em São Paulo. Hospedado num hotel popular na Rua Timbiras, ele conheceu um dentista que o apresentaria a Jair Rodrigues. Jair se apaixona por “O importante é ser fevereiro” e trinta dias depois, Wando era sucesso nacional como compositor, na voz de Jair, e logo em seguida sucesso também como intérprete, com o compacto “Maria, Mariá”. Seu primeiro LP, de 1973, “Glória a Deus e samba na terra”, mostrava Wando de camiseta sem manga, cabelão black power e pose intimista com o violão. É uma das capas antológicas da época. Sucesso no carnaval de 1974, Wando já pôde comprar seu primeiro carro, um Opala vermelho. Voltou a Congonhas para a devolver o violão do amigo, enquanto emplacava mais um sucesso como compositor, “Vá mas não volte”, na voz de Ângela Maria.

Continue lendo aqui.

Avatar de Redação

Redação

Direto da Redação da Revista Fórum.

Em 2021, escolha a Fórum.

Fazer jornalismo comprometido com os direitos humanos e uma perspectiva de justiça social exige apoio dos leitores. Porque se depender do mercado e da publicidade oficial de governos liberais esses projetos serão eliminados. Eles têm lado e sabem muito bem quem devem apoiar.

Por isso, neste momento que você está renovando suas escolhas e está pensando em qual site apoiar, que tal escolher a Fórum?

Se fizer isso, além de garantir tranquilidade para o nosso trabalho, você terá descontos de no mínimo 50% nos cursos que já temos em nossa plataforma do Fórum Educação.

Renato Rovai
Editor da Revista Fórum

APOIAR