o colunista

por Cleber Lourenço

08 de julho de 2019, 13h50

O holocausto é perdoável, mas as lagostas não

Cleber Lourenço: “Para os israelenses da embaixada fica a dúvida: Possuem vergonha de tirar fotos com uma lagosta, mas não têm de tirar fotos com um presidente que afirma que o holocausto é perdoável"

Foto: Reprodução/Twitter

Antes de começar o texto, acredito ser mais do que justo apresentar o contexto:

Antes da final da Copa América entre Brasil e Peru, o presidente Bolsonaro e o embaixador de Israel almoçaram juntos em Brasília. Ambos iriam acompanhar a partida após a refeição, a qual teve como prato principal duas lagostas.

Até aí algo inocente, longe dos noticiários, de fato um evento não noticioso se não fosse um gritante ponto…

Inscreva-se no nosso Canal do YouTube, ative o sininho e passe a assistir ao nosso conteúdo exclusivo

Um prato de comida foi censurado. Bolsonaro e o embaixador de Israel almoçaram lagosta, comida considerada impura pela lei judaica. Daí a embaixada resolveu RABISCAR o prato na foto oficial. Só faltou a sobremesa ser bolo de laranja.

Pergunto-me, em tom de preocupação, se nem a lagosta escapou, o que pode e poderá acontecer com notícias, dados e informações negativas do governo federal?

Em país com uma escalada de autoritarismo diária, com um ministro da Justiça que, aparentemente, busca transformar a PF em uma Gestapo, o que mais nos é reservado?

Veja também:  Sargento preso em avião presidencial tentou fingir que cocaína era “queijo com goiabada”

O presidente já mostrou sua pré-disposição para censura prévia, quando disse que gostaria de inspecionar o Enem, e no episódio envolvendo o a propaganda do Banco do Brasil. Além disso, o governo também já omitiu informações sobre a reforma da previdência. Então, qual o próximo passo?

Para os israelenses da embaixada fica a dúvida: Possuem vergonha de tirar fotos com uma lagosta, mas não têm de tirar fotos com um presidente que afirma que o holocausto é perdoável; tira fotos com pessoas fantasiadas de nazistas e que não fez qualquer declaração sobre a homenagem do Exército brasileiro para um oficial nazista, que lutou e foi condecorado pelas forças do eixo no auge da segunda guerra mundial.

O embaixador precisa (com urgência) rever seus conceitos de vergonha.

*Este artigo não reflete, necessariamente, a opinião da Revista Fórum.

 

Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum