Cinegnose

por Wilson Ferreira

22 de abril de 2015, 15h54

O Top 10 do bestiário neoconservador para o século XXI

Explosão populacional, antropologia criminal do século XIX, o hype dos assexuados, fantasmas vermelhos soviéticos e a fantástica revelação de que a Terra é plana e que há uma conspiração para esconder de todos essa verdade extraordinária. Prepare-se! O futuro poderá ser construído a partir de ideias que supostamente teriam sido superadas pelo progresso científico, processo civilizatório ou simplesmente pelas transformações políticas e sociais das últimas décadas. Ideias conservadoras que no passado foram criadas para deter mudanças ou revoluções, hoje são resgatadas pela mentalidade neoconservadora sob uma nova roupagem high tech, nova nomenclatura e o charme das teorias conspiratórias. O “Cinegnose” fez uma lista dos 10 principais renascimentos de ideias antigas e até sinistras que parecem encontrar o fértil terreno no radicalismo e fundamentalismo atuais.

10. Neomalthusianos, Second Life e suicídio

Para os neoconservadores o grande responsável pelos problemas humanos é o próprio homem. Mais precisamente, homens pobres que insistem em se reproduzir. No passado, quando o pensador inglês Thomas Malthus (1766-1834) argumentou que a quantidade de habitantes no mundo é desproporcional à quantidade de alimentos e recursos naturais, o problema demográfico restringia-se a uma questão econômica.

No campo econômico o malthusianismo seria facilmente desconstruído pela evidência das contradições das leis de mercado e distribuição desigual da riqueza – o problema não é de produção mas de distribuição desigual pelo mercado.

Agora os neomalthusianos associam a questão à qualidade de vida e ecologia – ter muitos filhos não é autossustentável: destrói mananciais, seca represas, produz lixo…

Por isso os neomalthusianos se modernizam e se aliam a soluções high techs e fundamentalismos religiosos bizarros. Por exemplo, o cientista chefe da NASA, Dennis Bushnell, propõe despachar os seres humanos (ou pelo menos suas consciências) para redes eletrônicas conectadas às neuronais. Para ele, a única solução para alterações climáticas e limitação dos recursos naturais é eliminar a ação danosa humana, mandando suas consciências para um mundo virtual. 

Viveríamos uma espécie de Second Life, mantendo inerte nossos corpos – sobre isso clique aqui.

Fundada em Massachusetts, a Church of Euthanasia afirma: “Salve o planeta, mate-se”. Para a igreja, suicídio, aborto, canibalismo e sodomia seriam formas legítimas de evitar a procriação humana, considerada um parasitismo no planeta Terra.

9. Genes e Seleção natural: de volta à selva

Desde a derrota dos nazistas e de toda a sua ideologia da raça pura e eugenia na II Guerra Mundial, o paradigma dos determinismo biológicos (raça, sangue, hereditariedade, darwinismo social etc.) caiu em desgraça. Principalmente porque o desenvolvimento das Ciências Sociais, Psicanálise e Linguística demonstraram que a sociedade é uma instituição simbólica e o homem um ser antes de tudo cultural.

Freud encontrara uma dimensão entre as funções corporais e a alma: o psiquismo; e a Linguística de Saussure a Roland Barthes descobrira que as instituições sociais são entidades semiológicas.

Mas a descoberta do DNA nos anos 1950 marcaram a transição para a genética molecular: o DNA como parte de cromossomos que contém os genes. O que faltava para Mendel (o pai da moderna genética, 1822-1884), Galton (o inventor da Eugenia, 1822-1911) e todos os geneticistas nazis fora descoberto: um código que poderia explicar o comportamento humano, o passado e o futuro. E, mais importante, poderia ser manipulado.

Tudo já está escrito na natureza: o gene hetero, o gene gay, genes defeituosos que produziriam do câncer à esquizofrenia etc. O que fizeram o Darwinismo social (a seleção natural das selvas trazida para a sociedade) e a Eugenia, retornam disfarçadas em uma roupagem high tech.

Por exemplo, para Steve Rud (O Gay e a Biologia) o gay é uma invenção da natureza para acelerar ou desacelerar o crescimento populacional. Com a atual “ameaça de superpopulação” o instinto genético de sobrevivência inibiria a heterossexualidade. 

Os neomalthusianos do item anterior passam a ter um surpreendente grande aliado na genética molecular. Se tudo é seleção natural e instinto de sobrevivência da espécie, temos uma perigosa matriz de raciocínio que poderá ser extrapolada para qualquer área da sociedade… genes e instintos são mais poderosos do que o livre arbítrio.

8. A gloriosa volta de Lombroso

 

Veja também:  Vaza Jato do Intercept desperta o “demasiado humano” nacional

Quem assistiu ao filme Minority Report – A Nova Lei (2002) ficou impressionado com uma polícia do futuro capaz de prender criminosos antes que eles pudessem cometer o delito: a Divisão Pré-Crime da Polícia de Washington DC, com ajuda dos pré-cogs (espécie de videntes), antecipava os crimes e gravavam premonições nos computadores, como provas para a prisão do futuro criminoso.

Pois no século XIX, Cesare Lombroso (médico e criminalista italiano, 1835-1909), acreditava que isso seria possível, mas não com ajuda de videntes mas com a ciência de Darwin – criar a identidade do criminoso através de aspectos físicos: formação craniana, mandíbula, forma de andar, cor, raça etc. Se o crime é uma patologia, deveria haver um tratamento preventivo pelo enquadramento dos criminosos potenciais. 

Com a evolução das Ciências Sociais e Antropologia, esses estudos foram rebatidos no Direito e Criminologia como racistas e preconceituosos: os aspectos físicos foram substituídos pelos sociais no estudo da criminalidade.

Mas os neoconservadores são capazes de ressuscitar Lombroso e torna-lo relevante para o século XXI. Em sites jurídicos brasileiros como o “Universo Jurídico”, textos como “Onda de Crimes Ressuscita Lombroso para o Direito Penal” de um jurista descreve como “Lombroso retorna com vigor” graças à “escalada de corrupção, violência e criminalidade que varre o País”.

Veja também:  Vaza Jato: Haddad diz que há dúvidas de que a mídia brasileira seja a favor da liberdade de imprensa

Cuidado! A Divisão Pré-Crime pode estar de olho em você!

7. Assexuados, Românticos, Hetero-românticos

Esqueça a Revolução sexual trazida pela pílula anticoncepcional nos anos 1960, o esforço das pesquisas de Freud a Wilhelm Reich para desvendar os mecanismos repressivos da sociedade contra o sexo e o prazer, a luta das feminista pelo amor livre, Simone De Beauvoir e o ativismo de Bete Friedan.

De repente a mídia transforma em um hype a curiosidade pelos assexuados: jovens que não sentem atração sexual. O sociólogo Mark Carrigan, por exemplo, fala em assexuados românticos e não românticos – em alguns casos haveria atração, mas não íntima fisicamente. Apenas para “dividir coisas”. São os “hetero-românticos” – sobre isso clique aqui.

Ao mesmo tempo, com o retorno dos fundamentalismo religiosos (na política com o terrorismo internacional e na cultura como resposta ao relativismo dos valores) , virgindade ou “guardar o coração” passa a ser considerada “uma benção”.

Agora procuram não mais se basear em noções como pecado, castigo ou culpa, mas em pesquisas supostamente científicas (sempre as “pesquisas”, capazes de justificar até impeachments contra presidentes eleitos) como a Family Psychology de que pessoas que esperam para fazer sexo depois do casamento são “mais satisfeitos”.

6. Militares, salvem-nos!

Com a suposta “escalada de corrupção, violência e criminalidade que varre o País” que justifica a volta gloriosa de Lombroso no item 8, muitos começam a clamar por um retorno “constitucional” dos militares ao poder no Brasil. Se no passado tudo foi feito através de um golpe trágico e supostamente necessário já que os comunistas “ameaçavam” o País, agora tudo será “constitucional” e fundamentado nas “pesquisas” (sempre as pesquisas!) de insatisfação popular contra a presidenta Dilma.

Veja também:  JN, Veja e UOL sinalizam mudança de posição da mídia em relação a Moro

Para além da evidente falta de lógica da proposta (é constitucional substituir o sufrágio universal por pesquisas por amostragem?) a proposta reflete a mentalidade esquizoide do neoconservadorismo: em um governo de exceção sem partidos, sindicatos ou Congresso, haveriam pesquisas ou manifestações de rua como aquelas que pedem um golpe militar?

O mais curioso é que jovens bem abonados (“coxinhas”) que apreciam drogas e baladas contraditoriamente apoiam ardorosamente um golpe militar. Se soubessem o que foi a ditadura militar  nos anos 1970, saberiam que por suas práticas, por assim dizer “notívagas”, seriam enquadradas como suspeitas de “práticas comunistas”.

5. Matem crianças, prendam adolescentes!

Segundo o historiador francês Philippe Ariès no livro clássico História Social da Infância e da Família, nos séculos XVI e XVII a infância era ignorada. Crianças eram tratadas com liberdades grosseiras e brincadeiras indecentes. Não havia sentimento de respeito e nem se acreditava na inocência delas. Vestiam-se como fossem pequenos adultos eram qualificados como enfants – aqueles que não sabem falar.

O avanço civilizatório das Ciências Sociais, Psicologia e Pedagogia faria ver nelas uma fase da vida diversa do adulto que deveria ser cercada de cuidados e atenção garantir o futuro delas  e da própria sociedade. 

A redução da maioridade penal para os 16 anos quer tornar o adolescente um criminoso qualquer. Mas pela fúria punitiva dos neoconservadores e protofascistas, o correto para muitos seria a punição se estender à própria infância, como demonstram as reações à morte do menino Eduardo, baleado por fuzil da polícia no Morro do Alemão (RJ): fotos nas redes sociais de crianças exploradas pelo tráfico, portando armas de forma desafiadora – a polícia “faria um favor” em eliminar esses “futuros traficantes”, dizem postagens mais exaltadas nas redes sociais.

Parece ser esse o “espírito da lei” por trás da redução da maioridade penal: o retorno ao Código Hamurabi. No fundo, esse item conecta-se ao item 8 da gloriosa volta de Lombroso – poderíamos antever nas características físicas da criança seus futuros crimes?

 

Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum