Imprensa livre e independente
07 de setembro de 2018, 12h32

ONU pede “diálogo” ao Brasil depois de atentado a Bolsonaro

"Pedimos que quaisquer diferenças em opiniões políticas sejam resolvidas pelo diálogo, e não pela violência, em qualquer ambiente eleitoral. E o Brasil não é uma exceção", disse Ravina Shamdasani

ONU. Foto: ONU/Jean-Marc Ferré
Por Brasil 247 O Alto Comissariado da Organização das Nações Unidas (ONU) para os Direitos Humanos pediu “diálogo” ao Brasil, em função do ataque sofrido pelo candidato à Presidência da República Jair Bolsonaro (PSL). “Pedimos que quaisquer diferenças em opiniões políticas sejam resolvidas pelo diálogo, e não pela violência, em qualquer ambiente eleitoral. E o Brasil não é uma exceção”, disse a porta-voz do Alto Comissariado da ONU, Ravina Shamdasani. “Soubemos do ataque ao candidato ontem (quinta-feira)”, disse ela durante uma entrevista coletiva realizada nesta sexta-feira (7_) em Genebra, na Suíça. “Entendemos que ele está se recuperando e nossos pensamentos...

Por Brasil 247

O Alto Comissariado da Organização das Nações Unidas (ONU) para os Direitos Humanos pediu “diálogo” ao Brasil, em função do ataque sofrido pelo candidato à Presidência da República Jair Bolsonaro (PSL).

“Pedimos que quaisquer diferenças em opiniões políticas sejam resolvidas pelo diálogo, e não pela violência, em qualquer ambiente eleitoral. E o Brasil não é uma exceção”, disse a porta-voz do Alto Comissariado da ONU, Ravina Shamdasani.

“Soubemos do ataque ao candidato ontem (quinta-feira)”, disse ela durante uma entrevista coletiva realizada nesta sexta-feira (7_) em Genebra, na Suíça. “Entendemos que ele está se recuperando e nossos pensamentos estão com ele e sua família. Também entendemos que o incidente está sendo investigado”, completou.

 

Veja também:  Fórum Onze e Meia | Executivo da Odebrecht diz que foi forçado a mentir pra condenar Lula

Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum