Andrea Caldas

política e educação

29 de abril de 2019, 15h28

Os estudantes têm direito de gravar a aula de seus professores(as)?

Andrea Caldas: “É importante apoiar e estimular pesquisas na área da educação, na direção da construção de relações mais democráticas e saudáveis, o contrário do que postula o atual ministro da pasta”

Na minha opinião, os estudantes têm, sim, direito de gravar a aula de seus professores(as), desde que haja concordância de todos: dos demais alunos(as) e do professor(a).

Uma aula não é – ou não deveria ser- um monólogo. Logo, gravar uma aula significa gravar o que o professor diz e gravar o que os colegas dizem também.

A pergunta é: quem tem o direito unilateral de expor seus professores e seus colegas? E mais do que isto: a que propósito este grande Big Brother educacional serve?

Há problemas nas relações pedagógicas. Decerto que sim.

Há abusos de autoridade pedagógica. Há violência e desrespeito aos docentes.

Por isso, é importante apoiar e estimular pesquisas na área da educação, na direção da construção de relações mais democráticas e saudáveis.

Contraditoriamente, o contrário do que postula o atual ministro da pasta. O atalho do atual governo propõe o justiçamento na área da educação.

Muito próximo – coincidentemente? – do imaginário dos milicianos, o “fazer justiça com as próprias mãos”.

Uma arminha na mão, uma câmera na sala de aula…

Veja também:  Pesquisa Ideia Big Data aponta que 58% reprovam atuação de Bolsonaro na Educação

É a confissão da descrença no pacto civilizatório, no Estado moderno, na humanização das relações. É a negação do governo, feita pelo próprio governo.

Mas, há algo mais inquietante para mim: o silenciamento de muitos liberais diante deste totalitarismo inquisitorial. Não era disto que acusavam os regimes “totalitários” de esquerda.

Não foi esta a denúncia de George Orwell?

Calar-se diante desta Cruzada inquisitorial pedagógica é permitir-se fazer parte dela.

*Este artigo não reflete, necessariamente, a opinião da Revista Fórum.