Imprensa livre e independente
18 de setembro de 2014, 14h25

Para Dilma, projeto neoliberal nunca foi tão claro como o de Marina

Durante encontro realizado com intelectuais e acadêmicos de Campinas (SP), Dilma Rousseff falou sobre as propostas neoliberais da candidata pessebista e a influência dos bancos privados na condução do País.

Durante encontro realizado com intelectuais e acadêmicos em Campinas (SP), Dilma Rousseff falou sobre as propostas neoliberais da candidata pessebista e a influência dos bancos privados na condução do país Por Redação Em evento realizado na cidade de Campinas (SP), a presidenta e candidata à reeleição pelo PT, Dilma Rousseff, afirmou que o projeto neoliberal nunca foi tão explícito como no plano de governo da candidata Marina Silva, do PSB. “Nós temos uma eleição que possivelmente irá para dois turnos, e mais uma vez dois projetos vão se defrontar. Um dos projetos, que é mais liberal e liberalizante, encontrou uma proposta hiperliberalizante, que nunca...

Durante encontro realizado com intelectuais e acadêmicos em Campinas (SP), Dilma Rousseff falou sobre as propostas neoliberais da candidata pessebista e a influência dos bancos privados na condução do país

Por Redação

Em evento realizado na cidade de Campinas (SP), a presidenta e candidata à reeleição pelo PT, Dilma Rousseff, afirmou que o projeto neoliberal nunca foi tão explícito como no plano de governo da candidata Marina Silva, do PSB. “Nós temos uma eleição que possivelmente irá para dois turnos, e mais uma vez dois projetos vão se defrontar. Um dos projetos, que é mais liberal e liberalizante, encontrou uma proposta hiperliberalizante, que nunca foi feita com tanta clareza no Brasil”, declarou.

A petista participou de um encontro em que recebeu o apoio de 60 intelectuais e acadêmicos da estado de São Paulo. Na ocasião, ela abordou ainda a influência que os bancos privados podem vir a ter na condução do país, e alertou para a contradição entre a política macroeconômica liberalizante de Marina e a realização de políticas sociais. .“A redução da desigualdade no Brasil não está perenizada, e não podemos nos dar ao luxo de perdê-la. Se em 2002, 54% era pobre ou miserável, hoje, de cada quatro brasileiros, três são da classe média pra cima”, avaliou.

Veja também:  Dilma Rousseff se despede da mãe, Dilma Jane, em cerimônia em Belo Horizonte

A presidenta destacou como principais efeitos da política proposta por Marina Silva a segregação dos mais pobres no orçamento, o aumento da desigualdade social, a diminuição do papel dos bancos públicos na economia, a queda no índice de empregos e o fim de programas sociais como o Minha Casa, Minha Vida.

Foto de capa: Agência PT de Notícias

Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum