Imprensa livre e independente
13 de julho de 2019, 20h30

Para Pedro Cardoso, classe média se uniu ao fundamentalismo religioso em busca de ascensão: “É fascismo”

Para o ator, atualmente no país há um "um ataque forte contra a cultura por uma parte da população que se embrulha na bandeira e tenta transformar o Brasil na ideia que elas têm do Brasil"

Pedro Cardoso (Foto: Reprodução)
De passagem por São Paulo, onde realiza sete espetáculos e um workshop ao lado da mulher, Graziella Monteiro, o ator Pedro Cardoso, que mora atualmente em Portugal, disse que atualmente no país há um “um ataque forte contra a cultura por uma parte da população que se embrulha na bandeira e tenta transformar o Brasil na ideia que elas têm do Brasil”. Inscreva-se no nosso Canal do YouTube, ative o sininho e passe a assistir ao nosso conteúdo exclusivo Para o ator, a união da classe média com grupos religiosos para obter uma “ascensão social” traçou um panorama tenebroso no...

De passagem por São Paulo, onde realiza sete espetáculos e um workshop ao lado da mulher, Graziella Monteiro, o ator Pedro Cardoso, que mora atualmente em Portugal, disse que atualmente no país há um “um ataque forte contra a cultura por uma parte da população que se embrulha na bandeira e tenta transformar o Brasil na ideia que elas têm do Brasil”.

Inscreva-se no nosso Canal do YouTube, ative o sininho e passe a assistir ao nosso conteúdo exclusivo

Para o ator, a união da classe média com grupos religiosos para obter uma “ascensão social” traçou um panorama tenebroso no Brasil.

“O que aconteceu foi que um grupo de classe média que se sentia excluído se agregou a um fundamentalismo religioso para obter uma ascensão social”, diz. “E eles não toleram quem pensa diferente. Isso é fascismo”, disse, em entrevista a Teté Ribeiro, na Folha de S.Paulo deste sábado (13).

Veja também:  Vaza Jato: Dallagnol queria falar do PT, mas não de Flávio Bolsonaro e Queiroz

Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum