Imprensa livre e independente
17 de janeiro de 2013, 12h43

Paraguaios exigem resposta sobre o Massacre de Curuguaty

Centenas se reuniram na praça do Panteón de Los Héroes em Assunção para exigir que o caso seja esclarecido

Centenas se reuniram na praça do Panteón de Los Héroes em Assunção para exigir que o caso seja esclarecido Reportagem e fotos por Mariana Serafini Manifestação organizada por movimentos sociais, partidos da esquerda e campesinos, na noite de terça-feira (15), reuniu centenas de pessoas na praça do Panteón de Los Héroes em Assunção, Paraguai, para exigir respostas do Estado sobre o que realmente aconteceu em Curuguaty. O massacre de 17 pessoas – onze campesinos e seis policiais – é um dos principais fatores que levaram o presidente eleito, Fernando Lugo, a ser deposto. Mesmo passados sete meses, a Justiça ainda...

Centenas se reuniram na praça do Panteón de Los Héroes em Assunção para exigir que o caso seja esclarecido

Reportagem e fotos por Mariana Serafini

Manifestação organizada por movimentos sociais, partidos da esquerda e campesinos, na noite de terça-feira (15), reuniu centenas de pessoas na praça do Panteón de Los Héroes em Assunção, Paraguai, para exigir respostas do Estado sobre o que realmente aconteceu em Curuguaty.

O massacre de 17 pessoas – onze campesinos e seis policiais – é um dos principais fatores que levaram o presidente eleito, Fernando Lugo, a ser deposto. Mesmo passados sete meses, a Justiça ainda não apresentou conclusões definitivas sobre o caso.

População paraguaia em frente ao Panteón de Los Héroes em manifestação por Curuguaty

“Que Pasó em Curuguaty?” é a pergunta que não cala em todo o Paraguai. Apesar de o promotor Jalid Rachil ter fechado oficialmente a investigação sobre o caso, pouco se sabe a respeito do que realmente aconteceu no confronto entre policiais e campesinos na região de Marina Kue.

Veja também:  Governo Bolsonaro manobra para dificultar investigações com dados do Coaf

Na ocasião, foi exibido o documentário “Detrás de Curuguaty”, produzido de forma independente pela jornalista Daniela Candia. O material conta com uma série de denúncias extraoficiais que sequer foram analisadas pelo promotor. Candia entrevistou as famílias dos campesinos mortos, e também, campesinos que desde o massacre estão presos, mesmo sem provas concretas da participação deles na morte dos militares.

Pessoas que presenciaram o confronto acreditam que havia franco-atiradores no local, afinal, os seis policiais morreram com tiros certeiros e atingidos por armas de alto calibre, enquanto os campesinos possuíam apenas escopetas. Além disso, pouco se fala a respeito da investigação da morte dos onze trabalhadores rurais. A Justiça colocou o foco da investigação no caso dos militares mortos.

“Que Pasó em Curuguaty?”, a pergunta que não cala desde 15 de junho de 2012

Segundo entrevistados do documentário, além das onze mortes, outros campesinos foram torturados e mortos depois do confronto e essas informações não foram reconhecidas pela Justiça. Outro destaque do vídeo é a morte do camponês Vidal Vega que aconteceu dia 1º de dezembro, fato presenciado pela sua esposa e seus filhos, na casa dele em Yby Pyta 1, em Curuguaty. Vega era considerado um “arquivo vivo”, por ter presenciado cenas do confronto e ter informações importantes a respeito.

Veja também:  "Parece censura", diz Frota sobre "filtro" que Bolsonaro quer impor à Ancine

O ato reuniu os quatro candidatos das eleições gerais de 2013 que representam a esquerda paraguaia. Aníbal Carrillo, da Frente Guasu; Eduardo “Coco” Arse, do Partido dos Trabalhadores; Lílian Soto, representante do movimento Kuña Pyrenda, e Mario Ferreiro da Frente Avanza País.

Quando o massacre completou seis meses a população foi às ruas em uma grande passeata, cerca de 5 mil pessoas, e a pergunta era a mesma: “Que Pasó em Curuguaty”. Passado um mês e mais uma manifestação, o povo paraguaio exige a libertação dos doze prisioneiros e colaboração para manter as famílias das vítimas. Sem respostas, os movimentos sociais esperam contar com solidariedade internacional para a resolução do caso.

Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum