Imprensa livre e independente
06 de abril de 2019, 08h57

Pesquisa da Datafolha mostra que 57% da população afirma que o golpe de 1964 deve ser desprezado

Levantamento revela que até mesmo entre evangélicos, uma das bases eleitorais de Bolsonaro, maioria também rejeita as comemorações relativas ao início da ditadura militar

Ditadura de Bolsonaro deve ser enfrentada nas ruas (Montagem)
Pesquisa Datafolha, divulgada neste sábado (6), mostra que ao contrário do que propaga Jair Bolsonaro (PSL), a maioria da população se coloca contra as comemorações ao golpe de 1964, que fez o Brasil mergulhar em 21 anos de Ditadura. Essa é a opinião de 57% dos 2.086 entrevistados pelo instituto entre terça (2) e quarta (3). A parcela dos que acham o contrário, que a data merece comemorações, é de 36% dos brasileiros. Outros 7% não souberam responder ou não quiseram opinar sobre o tema. Fã do torturador Carlos Alberto Brilhante Ustra,  Bolsonaro, orientou que os quartéis comemorassem o “aniversário”...

Pesquisa Datafolha, divulgada neste sábado (6), mostra que ao contrário do que propaga Jair Bolsonaro (PSL), a maioria da população se coloca contra as comemorações ao golpe de 1964, que fez o Brasil mergulhar em 21 anos de Ditadura.

Essa é a opinião de 57% dos 2.086 entrevistados pelo instituto entre terça (2) e quarta (3). A parcela dos que acham o contrário, que a data merece comemorações, é de 36% dos brasileiros. Outros 7% não souberam responder ou não quiseram opinar sobre o tema.

Fã do torturador Carlos Alberto Brilhante Ustra,  Bolsonaro, orientou que os quartéis comemorassem o “aniversário” do golpe civil-militar de 1964 no dia 31 de março – “data histórica” atribuída pela narrativa militar, que marca a derrubada do presidente João Goulart e o início da ditadura que só chegou ao fim em 1985.

Para a maior parte das pessoas, esse período de exceção de 21 anos, deve ser desprezado. Ainda segundo levantamento feito pelo instituto Datafolha, mostra que a maioria dos evangélicos, uma das bases eleitorais de Bolsonaro,  também rejeita as comemorações relativas ao início da ditadura militar.

Veja também:  Bolsonaro chama taxa ambiental de R$ 106 em Fernando de Noronha de "roubo" e diz que vai rever

Desprezo pelos mais jovens
Entre as pessoas de 16 a 24 anos, 64% são contrários à comemoração da data. A porcentagem chega a 67% entre quem tem ensino superior e a 72% entre pessoas com renda familiar mensal superior a dez salários mínimos.

Do outro lado, foram favoráveis à celebração do golpe 42% das pessoas com mais de 60 anos, 43% dos que têm ensino fundamental e 39% dos que têm renda mensal familiar de até dois salários mínimos.

Ainda assim, em todos os estratos de idade, escolaridade e renda, a maioria refuta a celebração do golpe de 1964.

Leia a reportagem na íntegra.

Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum