sábado, 24 out 2020
Publicidade

73,8% conhece alguém próximo já diagnosticado com Covid, diz Pesquisa Fórum

Na região Norte, esse índice chega a 88,2% da população; pergunta sobre quem já teve o coronavírus revela que Brasil tem pelo menos oito vezes mais casos do que o notificado

A cada quatro brasileiros pelo menos um conhece alguém próximo (parente ou amigo) que já foi diagnosticado com a Covid-19. Segundo a 5ª Pesquisa Fórum, realizada entre os dias 21 e 24 de agosto em parceria com a Offerwise, 73,8% dos entrevistados confirmaram que tiveram um ente próximo infectado. Apenas, 25,8% negaram. O vírus está cada dia mais presente na vida da população. Em julho, 62,7% haviam dito que conheciam alguém com coronavírus

Na região Norte do país, esse índice chega a 88,2% de pessoas que conhecem alguém que já teve Covid. No Centro-Oeste, 77,8%. No Nordeste, 77,5%. No Sudeste, 74,5%. A região Sul é a que apresenta menor percentual, são 55,6% que afirmaram conhecer alguém próximo. Conforme o levantamento do Ministério da Saúde, no Sul há o menor número de casos entre as regiões. 

Seja apoiador da Pesquisa Fórum e receba relatórios exclusivos. 

Outra informação revelada pela Pesquisa Fórum é o percentual dos brasileiros que afirmam já terem sido diagnosticado pelo vírus, tendo ou não feito o teste. São 10,7% que afirmam já terem tido a doença. Assim como na edição anterior da Pesquisa, de julho, o índice mostra o tamanho da subnotificação do país. Segundo os dados oficiais do Ministério da Saúde, há quase 4 milhões de casos confirmados, o que daria cerca de 2% da população.

O Brasil continua sendo um dos países que menos faz testes, apesar de ocupar o segundo lugar no número de vítimas do coronavírus. De acordo com o Worldometer, são 66 mil testes por 1 milhão de habitantes. Nos Estados Unidos, são 239 mil. Na Rússia, 242 mil.

O número de pessoas que tiveram seus salários reduzidos se manteve estável desde a primeira edição da Pesquisa Fórum, em abril. Neste mês, 37,4% dos entrevistados disseram que tiveram diminuição em sua renda por conta da pandemia. Dentre estes, 21,8% tiveram o contrato de trabalho suspenso.

Assim como nas edições anteriores da Pesquisa Fórum, as mulheres e os que recebem salários mais baixos foram os mais afetados. Entre as mulheres, 41,1% afirmaram que tiveram diminuição salarial, entre os homens são 33,3%. No recorte de renda, entre quem recebe até dois salários mínimos, 39,8% disseram que sim. Já entre os que ganham cinco a dez salários, são 31%.

Leia também:

Pesquisa Fórum: avaliação de Bolsonaro melhora e ótimo e bom bate em 37,5%

Depois de 120 mil mortes, aprovação do governo e de Bolsonaro na gestão da pandemia crescem

Pesquisa Fórum: 81,5% da população é a favor da manutenção do Bolsa Família

Pesquisa Fórum: brasileiro defende uso dos recursos do pré-sal em saúde e educação

Pesquisa Fórum revela que 78,4% apoia aborto de menina estuprada

Pesquisa inova com metodologia

5ª Pesquisa Fórum foi realizada entre os dias 21 e 24 de agosto e ouviu 1000 pessoas de todas as regiões do país. A margem de erro é de 3,2 pontos porcentuais, para cima ou para baixo. O método utilizado é o de painel online e a coleta de informações respeita o percentual da população brasileira nas diferentes faixas e segmentos.

O consultor técnico da Pesquisa Fórum, Wilson Molinari, explica que os painelistas são pessoas recrutadas para responderem pesquisas de forma online. A empresa que realiza a pesquisa, a Offerwise, conta com aproximadamente 1.200.000 potenciais respondentes no Brasil. “A grande vantagem é que o respondente já foi recrutado e aceitou participar e ser remunerado pelas respostas nos estudos que tenha interesse e/ou perfil para participar. No caso da Pesquisa Fórum, por ser de opinião, não existe perfil de consumidor restrito, como, por exemplo, ter conta em determinado banco, ou possuir o celular da marca X. O mais importante é manter a representatividade da população brasileira, tais como, gênero, idade, escolaridade, região, renda, etc.”

Molinari registra que pesquisas feitas em ruas ou nos domicílios costumam ter margem de erro menor. “Porém sabemos que 90% da população brasileira possui acesso à telefonia celular e, especificamente na situação de quarentena que estamos vivendo, o método online é mais seguro do que o pessoal e sempre é menos invasivo que o telefônico”, sustenta.

Pouco usado para pesquisas de opinião no Brasil, os painéis online são adotados como método de pesquisa no mundo todo, segundo Molinari. E regulamentados pelas principais associações de pesquisa. “Os painéis hoje são amplamente utilizados para pesquisas de satisfação, imagem de marca, qualidade de produtos e serviços, opinião, etc”, acrescenta.

Dri Delorenzo
Dri Delorenzo
Jornalista e editora executiva da Revista Fórum.