sábado, 31 out 2020
Publicidade

Metade dos brasileiros usam internet para se informar sobre política, diz Pesquisa Fórum

Dado evidencia a crescente preferência por redes sociais, como Facebook, Twitter e WhatsApp, como meios de informação

A 6ª edição da Pesquisa Fórum, realizada neste mês de outubro em parceria com a Offerwise, revela que 50,1% dos brasileiros utilizam a internet para se informar sobre política. O dado evidencia a crescente preferência por redes sociais, como Facebook, Twitter e WhatsApp, como meios de informação. A categoria “internet”, no entanto, também engloba sites de notícia.

O levantamento mostra ainda que a televisão é o segundo meio mais utilizado no Brasil quando o assunto é política: 40,4% disseram se informar dessa forma. Apenas 6,9% dos entrevistados usam jornais e revistas, enquanto 2,7% preferem o rádio.

APOIE A PESQUISA FÓRUM

O público que consome notícias sobre política através da internet é equilibrado entre homens (51,3%) e mulheres (49%). A maioria, no entanto, tem de 25 a 34 anos: 53,7%. Ainda, 53,6% estudaram até o ensino médio. Em relação à renda, as pessoas que mais utilizam a internet como meio de informação são as que ganham mais de 5 salários mínimos.

Entre os que ganham de 5 a 10, por exemplo, 55,8% disseram utilizar a internet. O índice cresce ainda mais nas classes mais altas: 56% dos que ganham até 20 salários mínimos preferem a internet e 81,5% entre os que recebem acima de 50 mínimos.

Sul e Nordeste são regiões em que a maioria da população recorre à internet para se informar sobre política: 57,6% e 53,3%, respectivamente. O Norte é a região que tem o menor índice em relação ao uso desse meio (42,2%).

Em relação à televisão, a maioria dos entrevistados que preferem esse meio são mulheres (42,5%) e tem de 35 a 44 anos (44,4%). Na escolaridade, 46,9% tem o ensino fundamental completo e 43,9% ganham até 2 salários mínimos. Os dados sugerem, portanto, que a televisão é o meio mais utilizado pela população de baixa renda quando o assunto é política.

Do total de brasileiros entrevistados, 7,6% disseram preferir a Fórum entre outros portais de notícias para se informar. Trata-se do maior índice entre veículos progressistas.

Leia também:
Cresce avaliação negativa da atuação de Bolsonaro na pandemia

Mais de 30% da população não sabe nada sobre rachadinhas e cheques de Michelle, revela Pesquisa Fórum

Pesquisa Fórum: para 80%, queimadas no Pantanal e na Amazônia resultam de atos criminosos

Ótimo e bom de Bolsonaro cai e ruim e péssimo sobe em nova Pesquisa Fórum

Pesquisa Fórum: Metade dos brasileiros não sabia que “revogaço” de Salles privilegia hotéis em manguezais

Dois terços da população são contra a volta às aulas presenciais, diz Pesquisa Fórum

Bolsonaro ou oposição no Congresso? População se divide sobre autoria do auxílio emergencial, diz pesquisa

A Offerwise ouviu 1000 pessoas de todas as regiões do Brasil. A margem de erro é de 3,2 pontos porcentuais, para cima ou para baixo.

O método utilizado é o de painel online e a coleta de informações respeita o percentual da população brasileira nas diferentes faixas e segmentos.

O consultor técnico da Pesquisa Fórum, Wilson Molinari, explica que os painelistas são pessoas recrutadas para responderem pesquisas de forma online. A empresa que realiza a pesquisa, a Offerwise, conta com aproximadamente 1.200.000 potenciais respondentes no Brasil. “A grande vantagem é que o respondente já foi recrutado e aceitou participar e ser remunerado pelas respostas nos estudos que tenha interesse e/ou perfil para participar.

No caso da Pesquisa Fórum, por ser de opinião, não existe perfil de consumidor restrito, como, por exemplo, ter conta em determinado banco, ou possuir o celular da marca X. O mais importante é manter a representatividade da população brasileira, tais como, gênero, idade, escolaridade, região, renda, etc.”

Molinari registra que pesquisas feitas em ruas ou nos domicílios costumam ter margem de erro menor. “Porém sabemos que 90% da população brasileira possui acesso à telefonia celular e, especificamente na situação de quarentena que estamos vivendo, o método online é mais seguro do que o pessoal e sempre é menos invasivo que o telefônico”, sustenta.

Luisa Fragão
Luisa Fragão
Jornalista.