sábado, 24 out 2020
Publicidade

Pesquisa Fórum: 81,5% da população é a favor da manutenção do Bolsa Família

Um dos mais famosos programas criados no governo do ex-presidente Lula, o Bolsa Família tem apoio da ampla maioria dos brasileiros. São 81,5% a favor de sua manutenção e 18,5% contra.

O dado consta da 5ª Pesquisa Fórum, realizada em parceria com a Offerwise sob consultoria de Wilson Molinari. O levantamento ouviu a opinião de mil pessoas, em todas as regiões do país, entre os dias 21 e 24 de agosto.

Seja apoiador da Pesquisa Fórum e receba relatórios exclusivos.

Crítico do programa quando era deputado federal, o presidente Jair Bolsonaro agora quer criar um plano semelhante, mas com outro nome, o Renda Brasil. Para isso, Bolsonaro fala em acabar com programas como o Farmácia Popular e o Seguro-Defeso.

Por critério de renda, a maior aprovação ao programa está entre os que ganham entre 2 e 3 salários mínimos: 87,9% deles querem que o programa continue. Já a maior rejeição aparece justamente entre os que têm maior rendimento, de 20 a 50 salários mínimos, dos quais 28,2% não querem que ele seja mantido, a maior taxa contrária.

A aprovação é semelhante entre homens e mulheres: 82% deles e 81% delas querem que o programa seja mantido.

Quando são analisadas as faixas etárias, 87,9% dos entrevistados na faixa entre 45 e 59 anos são favoráveis à manutenção do programa, a maior taxa positiva por esse critério. Já para 27,3% daqueles que têm mais de 60 anos, ele não deve continuar a existir – maior fatia negativa segundo a idade do pesquisado.

Apesar de tradicionalmente associado à região Nordeste, não é ali que o benefício tem sua maior aprovação. É entre os moradores da região Norte que há mais defensores do programa: 89,6% deles querem que ele continue.

A seguir, pela ordem de taxa de aprovação, aparecem a região Centro-Oeste, com 86,1% dos entrevistados a favor da manutenção do Bolsa Família, a Sul, com 82,1% e só então vem o Nordeste, onde 82% se dizem favoráveis a que o benefício siga sendo concedido. No Sudeste está o menor percentual, ainda assim alto: 78,6% querem que o programa continue.

Leia também:

Dos que recebem auxílio emergencial, 35,8% melhoraram avaliação de Bolsonaro

Pesquisa Fórum: brasileiro defende uso dos recursos do pré-sal em saúde e educação

Pesquisa Fórum revela que 78,4% apoia aborto de menina estuprada

Pesquisa inova com metodologia

5ª Pesquisa Fórum foi realizada entre os dias 21 e 24 de agosto e ouviu 1000 pessoas de todas as regiões do país. A margem de erro é de 3,2 pontos porcentuais, para cima ou para baixo. O método utilizado é o de painel online e a coleta de informações respeita o percentual da população brasileira nas diferentes faixas e segmentos.

O consultor técnico da Pesquisa Fórum, Wilson Molinari, explica que os painelistas são pessoas recrutadas para responderem pesquisas de forma online. A empresa que realiza a pesquisa, a Offerwise, conta com aproximadamente 1.200.000 potenciais respondentes no Brasil. “A grande vantagem é que o respondente já foi recrutado e aceitou participar e ser remunerado pelas respostas nos estudos que tenha interesse e/ou perfil para participar. No caso da Pesquisa Fórum, por ser de opinião, não existe perfil de consumidor restrito, como, por exemplo, ter conta em determinado banco, ou possuir o celular da marca X. O mais importante é manter a representatividade da população brasileira, tais como, gênero, idade, escolaridade, região, renda, etc.”

Molinari registra que pesquisas feitas em ruas ou nos domicílios costumam ter margem de erro menor. “Porém sabemos que 90% da população brasileira possui acesso à telefonia celular e, especificamente na situação de quarentena que estamos vivendo, o método online é mais seguro do que o pessoal e sempre é menos invasivo que o telefônico”, sustenta.

Pouco usado para pesquisas de opinião no Brasil, os painéis online são adotados como método de pesquisa no mundo todo, segundo Molinari. E regulamentados pelas principais associações de pesquisa. “Os painéis hoje são amplamente utilizados para pesquisas de satisfação, imagem de marca, qualidade de produtos e serviços, opinião, etc”, acrescenta.

Fabíola Salani
Fabíola Salani
Graduada em Jornalismo pela Universidade Metodista de São Paulo. Trabalhou por mais de 20 anos na Folha de S. Paulo e no Metro Jornal, cobrindo cidades, economia, mobilidade, meio ambiente e política.