Pesquisa Fórum: Guedes é o ministro mais conhecido do governo

Titular da Economia, que vinha tendo desgates por querer gastos públicos, é também o auxiliar do presidente que tem maior índice de aprovação de suas ações

O ministro da Economia, Paulo Guedes (Foto Alan Santos/PR)

A 5ª edição da Pesquisa Fórum mostra que Paulo Guedes, da Economia, é o ministro mais conhecido do governo de Jair Bolosnaro. Entre os 23 auxiliares diretos do presidente, ele tem o maior índice de reconhecimento: 38,8% da população diz saber muito sobre ele, 42% pouco e 19,2% não o conhecem.

A pesquisa foi realizada entre os dias 21 e 24 de agosto. Foram ouvidas mil pessoas em todas as regiões do país e a margem de erro é de 3,2 pontos percentuais. O levantamento é feito em parceria com a Offerwise, sob a coordenação de Wilson Molinari.

Nas últimas semanas, Guedes tem estado na mira do governo. Isso porque defende limitação de gastos públicos, para não aumentar demais o déficit público.

Uma das desavenças entre ele e Bolsonaro é o Renda Brasil, programa que deve substituir o Bolsa Família. O presidente rejeitou a proposta apresentada pela equipe econômica na última quarta-feira (26). Um dos pontos criticados era que ela previa entre outros cortar o abono salarial pago atualmente a quem ganha até dois salários mínimos para obter recursos para o novo programa. Bolsonaro classificou a iniciativa como “tirar do pobre para dar ao paupérrimo”.

Além de mais conhecido – ou por causa disso -, Guedes é o ministro com maior índice de ótimo/bom entre os titulares das pastas: 23,5%. É considerado regular por 7,8% e ruim/péssimo por 7,1%. Para essa avaliação, são consultados apenas aqueles que respondem que conhecem muito o ministro.

Depois de Guedes, o ministro Onyx Lorenzoni, da Cidadania, é o mais conhecido do governo. Sua pasta é a responsável pela liberação do auxílio emergencial, pago a quem perdeu renda com a pandemia do novo coronavírus. Por isso, sua visibilidade foi grande nos últimos meses. Sobre ele, 25,2% dizem saber muito, 36,9% pouco e 37,9% não o conhecem.

Além de Guedes e Lorenzoni, apenas outros quatro ministros são conhecidos por ao menos metade da população. Damares Alves, da Mulher, Família e Direitos Humanos, é muito conhecida por 21,2%, pouco por 41% e desconhecida por 37,8%. A seguir, aparece Marcos Pontes, da Ciência e Tecnologia, o primeiro astronauta brasileiro a ir para o espaço (19,1% para conhecem muito, 35,2% para pouco e 45,7% para não conhecem).

Depois vêm o general Augusto Heleno, do Gabinete de Segurança Institucional (índices respectivamente de 17,6%, 35,7% e 46,8%) e o interino da Saúde, Eduardo Pazuello (12,5% para muito, 40,5% para pouco e 47%  para desconhecem).

Seja apoiador da Pesquisa Fórum e receba relatórios exclusivos.

Leia também:

Depois de 120 mil mortes, aprovação do governo e de Bolsonaro na gestão da pandemia crescem

Pesquisa Fórum: avaliação de Bolsonaro melhora e ótimo e bom bate em 37,5%

Dos que recebem auxílio emergencial, 35,8% melhoraram avaliação de Bolsonaro

Pesquisa Fórum: brasileiro defende uso dos recursos do pré-sal em saúde e educaçãoPesquisa Fórum revela que 78,4% apoia aborto de menina estuprada

Pesquisa inova com metodologia

A 5ª Pesquisa Fórum foi realizada entre os dias 21 e 24 de agosto e ouviu 1000 pessoas de todas as regiões do país. A margem de erro é de 3,2 pontos porcentuais, para cima ou para baixo. O método utilizado é o de painel online e a coleta de informações respeita o percentual da população brasileira nas diferentes faixas e segmentos.

O consultor técnico da Pesquisa Fórum, Wilson Molinari, explica que os painelistas são pessoas recrutadas para responderem pesquisas de forma online. A empresa que realiza a pesquisa, a Offerwise, conta com aproximadamente 1.200.000 potenciais respondentes no Brasil. “A grande vantagem é que o respondente já foi recrutado e aceitou participar e ser remunerado pelas respostas nos estudos que tenha interesse e/ou perfil para participar. No caso da Pesquisa Fórum, por ser de opinião, não existe perfil de consumidor restrito, como, por exemplo, ter conta em determinado banco, ou possuir o celular da marca X. O mais importante é manter a representatividade da população brasileira, tais como, gênero, idade, escolaridade, região, renda, etc.”

Molinari registra que pesquisas feitas em ruas ou nos domicílios costumam ter margem de erro menor. “Porém sabemos que 90% da população brasileira possui acesso à telefonia celular e, especificamente na situação de quarentena que estamos vivendo, o método online é mais seguro do que o pessoal e sempre é menos invasivo que o telefônico”, sustenta.

Pouco usado para pesquisas de opinião no Brasil, os painéis online são adotados como método de pesquisa no mundo todo, segundo Molinari. E regulamentados pelas principais associações de pesquisa. “Os painéis hoje são amplamente utilizados para pesquisas de satisfação, imagem de marca, qualidade de produtos e serviços, opinião, etc”, acrescenta.

Este post foi modificado pela última vez em 1 set 2020 - 22:47 22:47

Fabíola Salani: Graduada em Jornalismo pela Universidade Metodista de São Paulo. Trabalhou por mais de 20 anos na Folha de S. Paulo e no Metro Jornal, cobrindo cidades, economia, mobilidade, meio ambiente e política.