Imprensa livre e independente
13 de julho de 2019, 15h31

PM e advogada se tornam réus após tentarem obstruir investigação do Caso Marielle

A denúncia foi apresentada à Justiça pelo Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) do Ministério Público do Rio de Janeiro e se baseou em uma investigação conduzida pela Polícia Federal, que apontou a existência de obstrução à investigação do Caso Marielle

Foto: Mídia Ninja
Acusados de integrar uma organização criminosa e atrapalhar as investigações sobre os assassinatos da vereadora Marielle Franco (PSol) e do motorista Anderson Gomes, o policial militar Rodrigo Jorge Ferreira e a advogada Camila Lima Nogueira viraram réus. A Justiça do Rio de Janeiro acatou a denúncia formulada pelo Ministério Público do Estado e os dois acusados, se condenados, podem pagar multa e pegar de três a oito anos de prisão. Inscreva-se no nosso Canal do YouTube, ative o sininho e passe a assistir ao nosso conteúdo exclusivo O juiz do caso autorizou pelo menos dois mandados de busca e apreensão....

Acusados de integrar uma organização criminosa e atrapalhar as investigações sobre os assassinatos da vereadora Marielle Franco (PSol) e do motorista Anderson Gomes, o policial militar Rodrigo Jorge Ferreira e a advogada Camila Lima Nogueira viraram réus. A Justiça do Rio de Janeiro acatou a denúncia formulada pelo Ministério Público do Estado e os dois acusados, se condenados, podem pagar multa e pegar de três a oito anos de prisão.

Inscreva-se no nosso Canal do YouTube, ative o sininho e passe a assistir ao nosso conteúdo exclusivo

O juiz do caso autorizou pelo menos dois mandados de busca e apreensão. Um deles foi cumprido neste sábado (13), na casa da advogada, na Zona Sul do Rio de Janeiro.

A denúncia foi apresentada à Justiça pelo Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) do Ministério Público do Rio de Janeiro e se baseou em uma investigação conduzida pela Polícia Federal, que apontou a existência de obstrução à investigação do Caso Marielle. Apesar de ter confirmado a denúncia, o MP-RJ não informou o teor da medida, pois o processo está em segredo de Justiça.

Veja também:  Jean Wyllys: Ao comparar críticas de Lula e Bolsonaro à Miriam Leitão, Globo segue fortalecendo o fascismo

Em entrevista ao portal Uol, a advogada nega a acusação. “Estou sendo humilhada, tratada como bandida. É de chocar quem tem o mínimo de conhecimento jurídico”, destacou Camila Nogueira. Ela também avisou que não é mais defensora do PM Ferreira. “Acredito na verdade e ela sobre minha vida prevalecerá”, acrescentou.

Os novos advogados do acusado não foram encontrados para comentar o caso.

Apesar de o PM reformado Ronnie Lessa e o ex-PM Élcio Vieira de Queiroz terem sido presos em março, acusados de terem executado o atentado, até o momento, o Ministério Público e a Polícia Civil não conseguiram definir quem foram os mandantes do duplo assassinato.

Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum