Imprensa livre e independente
23 de setembro de 2016, 16h03

Policial que matou homem negro nos EUA se entrega e é solta sob fiança

A agente que matou Terence Crutcher se entregou a polícia, ficou detida por 20 minutos e foi liberada após pagamento de fiança.

A agente que matou Terence Crutcher, após uma semana foragida, se entregou à polícia, ficou detida por 20 minutos e foi liberada após pagamento de fiança Por Redação No último dia 16, sexta-feira, a agente policial norte-americana Betty Shelby atirou e matou um homem negro, Terence Crutcher, 40, durante uma abordagem policial em Tulsa, cidade do estado de Oklahoma, nos Estados Unidos. A policial, foragida desde a ocasião, se entregou nesta sexta-feira (23) à polícia, foi presa e ficou detida por apenas 20 minutos, sendo liberada após pagamento de fiança. A ação que culminou na morte de Crutcher foi filmada...

A agente que matou Terence Crutcher, após uma semana foragida, se entregou à polícia, ficou detida por 20 minutos e foi liberada após pagamento de fiança

Por Redação

No último dia 16, sexta-feira, a agente policial norte-americana Betty Shelby atirou e matou um homem negro, Terence Crutcher, 40, durante uma abordagem policial em Tulsa, cidade do estado de Oklahoma, nos Estados Unidos. A policial, foragida desde a ocasião, se entregou nesta sexta-feira (23) à polícia, foi presa e ficou detida por apenas 20 minutos, sendo liberada após pagamento de fiança.

A ação que culminou na morte de Crutcher foi filmada pelo helicóptero da polícia e pelas câmeras das viaturas. Nas imagens não dá para afirmar sem perícia o que teria motivado o disparo. As gravações mostram Crutcher ao lado do carro e, então, sendo atingido e caindo.

Shelby disse à polícia que o homem não obedeceu às orientações durante a abordagem e que parecia tentar alcançar um revólver dentro do carro. A procuradoria da polícia concluiu, ao analisar as imagens, que a policial agiu “de forma irracional, causando a escalada no confronto com Crutcher”. Shelby foi indiciada por homicídio culposo, quando não há intenção de matar.

Veja também:  Embaixadores brasileiros nos EUA não fizeram “nada de bom” desde 2003, afirma Bolsonaro

As autoridades acreditam que com o indiciamento de Shelby, os protestos contra esse caso e outros que envolvem a morte de pessoas negras por policiais devem seguir pacificamente. No último dia 20, na Carolina do Norte, Keith Lamont, 43, foi morto por ação policial, assim como Justin Carr, 26, que levou um tiro na cabeça durante confusão entre manifestantes e a forças de segurança no centro de Charlotte.

Leia também

Negros têm direito de correr da polícia ao serem abordados, decide tribunal dos EUA

Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum