Em 2016, novo ministro da Educação atacava Bolsa Família, Dilma e educadores

O pastor Milton Ribeiro recorreu a questões relativas à sexualidade e citou o casamento gay em sermão direcionado contra Dilma; assista

Foto: Reprodução/YouTube
Escrito en POLÍTICA el

Em 13 de março de 2016, o pastor Milton Ribeiro, novo ministro da Educação, resolveu comentar sobre o momento político do Brasil durante culto na Igreja Presbiteriana Jardim da Oração. Naquele dia, protestos organizado pelo Vem Pra Rua e pelo Movimento Brasil Livre fortaleceram o processo de impeachment que terminaria no golpe contra Dilma Rousseff.

O pastor criticou a ex-presidenta e abrangeu sua crítica a outras questões, como o programa Bolsa Família. "O governo dá um cartão para o cidadão e, muitas vezes, com todo respeito, ele usa com tudo menos comida", afirmou ao criticar a "corrupção" de governantes.

Ribeiro critica ainda o sistema de ensino e recorre a ataques ao "casamento gay". "Quando eu vejo a massa de orientação daqueles que ensinam nossos filhos nas escolas. Tem escolas que não tem Dia das Mães e Dia dos Pais. Em algumas escolas se fala até de casamento gay com os meninos, com as crianças. Aqueles que deveriam defender os princípios éticos são os mesmos que atacam a nossa nação", afirma.

Assim como fez em vídeo de 2019, o pastor apela a questões da sexualidade para reforçar sua crítica. "Vivemos um tempo de relativismo ético. Cada um tem a a sua verdade, cada um escolhe sua maneira de viver, de se relacionar sexualmente, de se relacionar profissionalmente, não há mais absurdo", declarou.

Em vídeo de culto de abril de 2016, ele dizia que criança “deve sentir dor” para aprender. “Não dá para argumentar de igual para igual com criança, senão ela deixa de ser criança. Deve haver rigor, severidade. Vou dar um passo a mais, talvez algumas mães até fiquem com raiva de mim: deve sentir dor”, declara o pastor”, defendeu.

Assista, a partir do minuto 43:

https://www.youtube.com/watch?v=IIoNB8eFCGU