Lula se despede da Argentina "com a certeza de que nossa América Latina voltará a ser unida e soberana"

Após ato com centrais sindicais, Lula participou de almoço com a vice-presidenta argentina, Cristina Kirchner, e ganhou um quadro de Evita Perón, histórica liderança política na América Latina.

Janja, Lula e Cristina Kirchner em Mercedes, na Argentina (Foto: Ricardo Stuckert)Créditos: Ricardo Stuckert
Escrito en POLÍTICA el

Após discurso em que conclamou as centrais sindicais CTA e CGT a apoiarem Alberto Fernandez e trabalharem pela recuperação da Pátria Grande, Lula (PT) se despediu da Argentina em um almoço oferecido pela vice-presidenta Cristina Kirchner em Mercedes, cidade da província de Buenos Aires, neste sábado (11).

"Almoço com a companheira Cristina Kirchner. Vamos nos despedindo da Argentina com a certeza de que nossa América Latina voltará a ser unida e soberana. Obrigado por todo carinho, povo argentino", escreveu nas redes sociais.

https://twitter.com/LulaOficial/status/1469796698721599488

Lula ganhou de presente de Cristina uma imagem de Eva Perón, primeira-dama e líder política histórica na Argentina, feita pela artista Marina Olmi. No poster, Evita aparece frente ao verde e amarelo da bandeira brasileira.

"Essa linda Evita que eu dei pra ela, da colega e grande artista argentina Marina Olmi, é levada para o Brasil", escreveu Cristina nas redes.

https://twitter.com/CFKArgentina/status/1469769238466514947

Bolsonaro e Macri

Em discurso em ato com as centrais sindicais argentinas CGT e CTA, Lula comparou a gestão neoliberal de Mauricio Macri, que perdeu as últimas eleições presidenciais, em 2019, para Alberto Fernandez, a de Jair Bolsonaro (PL) no Brasil.

Na conversa com os representantes dos trabalhadores argentinos, o petista afirmou que as pessoas que não se importam com política acabam colocando “a raposa no galinheiro”.

“Porque a gente passa o ano inteiro brigando com o patrão e quando chega na época das eleições, a gente não se incomoda com política, e elege o patrão”, disse Lula indagando qual o benefício Macri levou para o trabalhador argentino.

“É como se a gente fosse colocar uma raposa no galinheiro achando que ela ia tomar conta da galinha. Ela vai comer. Como fez o Macri aqui na Argentina”, emendou.

Em seguida, ele comparou com a situação no Brasil, desafiou a qualquer um a fazer um estudo sobre os recursos alocados aos estado – que, segundo ele, foram maiores em seu governo e no de Dilma Rousseff (PT) – e disse que Bolsonaro “não fez nada!”.

“Me diga uma obra que o Bolsonaro já fez? Esses dias viajou 4 mil quilômetros para inaugurar uma ponte de madeira de 18 metros. Ou seja, ele não fez nada!”, disse.

“Agora o Macri fez uma grande obra: pegou US$ 44 bilhões emprestados do FMI para pagar os empresários. Fez uma grande obra, deixou uma dívida imensa para Alberto Fernandez pagar”, ironizou.