Juristas retiram homenagens a Marco Aurélio Mello após elogios a Moro

“Um juiz declarado suspeito pela maioria do STF é herói? Parece claramente o incentivo à criação de uma narrativa que pretende salvar Moro. E isso não é tolerável!”, disse Lenio Streck

Marco Aurélio Mello - Foto: Carlos Moura/SCO/STFCréditos: STF
Escrito en POLÍTICA el

Indignados com os elogios que Marco Aurélio Mello fez ao ex-juiz Sérgio Moro, um grupo de juristas decidiu retirar textos de um livro que está sendo organizado para homenagear o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), que se aposenta em julho.

Durante votação em que o ex-juiz foi considerado suspeito no julgamento do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva no caso do triplex, Mello votou a favor do ex-magistrado e o chamou de “um verdadeiro herói nacional”.

Um dos que recuaram da homenagem foi o jurista Juarez Tavares:

“Tenho boas relações com Marco Aurélio Mello e por causa disso escrevi para artigo em livro organizado em sua homenagem. Não importa a amizade, quando o amigo ultrapassa os limites aceitáveis de uma construção jurídica democrática não merece homenagem pública. Pior ainda quando ele mesmo resolve enaltecer um fascista como herói. Desculpem pelo meu radicalismo, mas eu sou assim”, afirmou ele em mensagem no grupo de WhatsApp do Prerrogativas.

Notícias relacionadas:

Após Gilmar ampliar suspeição de Moro, Lula diz que “a missão ainda não está cumprida”

Gilmar Mendes amplia suspeição de Moro para todas as ações contra Lula

“Eu respeito o meu colega”, diz Marco Aurélio Mello sobre Moro

Marco Aurélio Mello sobre Moro: “Eu espero que ele não ocupe a cadeira que deixarei em 2021”

Suspeição: Marco Aurélio faz defesa apaixonada de Moro no STF

O jurista Lenio Streck, que também retirou um texto do livro, disse: “Sempre estive ao lado do Marco Aurélio Mello garantista. Sempre. Por que, então, afirmar, gratuitamente, que Moro é um herói nacional? Um juiz declarado suspeito pela maioria do STF é herói? Parece claramente o incentivo à criação de uma narrativa que pretende salvar Moro. E isso não é tolerável!”.

Com informações da coluna de Mônica Bergamo