Blindagem: Podemos classifica possível CPI contra Moro como "nefasta"

Em nota, o partido do ex-juiz e ex-ministro Sergio Moro pareceu temer o aprofundamento das investigações sobre a relação do pré-candidato com consultoria estadunidense

Sergio Moro (Foto: Lula Marques/Fotos Públicas)Créditos: Lula Marques
Escrito en POLÍTICA el

A bancada de senadores do Podemos, partido que pretende lançar o ex-juiz e ex-ministro Sergio Moro à presidência nas eleições de outubro, se irritou com a possibilidade de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para investigar a relação de Moro com a consultoria jurídica Alvarez & Marsal, que o contratou após ele sair do governo de Jair Bolsonaro.

"A bancada do Podemos repudia a tentativa nefasta de autoridades, parlamentares e partidos atingidos pela Lava Jato de prejudicar a pré-candidatura de Sergio Moro", dizem os senadores em nota.

"A criação de uma CPI para investigar o contrato de trabalho de um cidadão brasileiro com uma empresa privada nos Estados Unidos é uma ofensa à sociedade, que espera ver no Parlamento debates e providências que melhorem a vida das pessoas e não que sirvam de palanque político-eleitoral para um projeto de vingança ao juiz que prendeu corruptos. Mas o Brasil do bem saberá se vingar nas urnas", afirmam.

A CPI proposta por deputados do PT pretende investigar as ações no âmbito privado do pré-candidato à Presidência da República. A base de argumentação são as investigações conduzidas pelo Tribunal de Contas da União (TCU) que rastreiam um suposto conflito de interesses por parte do ex-ministro do governo extremista de Jair Bolsonaro, uma vez que ele atuou numa consultoria que realizava recuperações judiciais justamente de empresas que foram quebradas em decorrência de sua condução na Lava Jato.

Alvarez & Marsal, um escritório sediado nos EUA, recebeu, apenas no ano passado, R$ 65,1 milhões de companhias afetadas pelas decisões do ex-juiz quando ele chefiava a Lava Jato. Isso representou 78% do faturamento da consultoria em 2021.

Propina para Moro?

O deputado federal Rogério Correia (PT-MG), um dos propositores do pedido da CPI, defendeu a instauração da comissão durante entrevista ao Fórum Onze e Meia desta segunda-feira (24). Segundo Correia, os serviços trocados entre Moro e a empresa “não tem outro nome se não propina”.

“Moro é um ex-juiz sem moral, e hoje virou essa vidraça. [Tem] um telhado de vidro e as pedras que, ainda são pequenas, já estão quebrando esse telhado. Essa agora da Alvarez & Marsal é uma pedra grande caindo no telhado dele”, afirmou o parlamentar; assista aqui.

Temas