ELEIÇÕES 2022

Senado ignora veto de Bolsonaro e convida Parlamento Europeu para observar eleições

O Itamaraty havia divulgado um comunicado para afirmar que não era “da tradição do Brasil ser avaliado por organização internacional da qual não faz parte”

Bolsonaro não quer observadores internacionais.Créditos: Marcelo Camargo/Agência Brasil
Escrito en POLÍTICA el

Apesar do veto de Jair Bolsonaro (PL), senadores decidiram convidar o Parlamento Europeu para observar as eleições brasileiras no final do ano.

A atitude foi uma resposta ao presidente, que está tentando bloquear a presença de observadores internacionais no processo eleitoral para poder dizer que houve fraude.

Ministros do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) se reuniram com um grupo de senadores e disseram que o governo Bolsonaro tinha vetado a presença de uma equipe da União Europeia (UE) no Brasil.

Segundo os parlamentares, o relato foi feito pelos ministros Alexandre de Moraes, integrante do tribunal, e Luís Roberto Barroso, ex-presidente da corte. As informações são da coluna de Mônica Bergamo, na Folha de S.Paulo.

Em março, o TSE enviou uma carta convidando a UE para se juntar a entidades que acompanharão as eleições brasileiras. Uma delegação europeia, inclusive, viria ao país este mês.

O governo Bolsonaro não gostou. O Itamaraty divulgou um comunicado dizendo que não era “da tradição do Brasil ser avaliado por organização internacional da qual não faz parte”.

Após desconvite, grupo de senadores articula chamar observadores de outros parlamentos

A reação do Planalto forçou o TSE a desconvidar os europeus. Contudo, um grupo de senadores formado por Renan Calheiros (MDB-AL), Tasso Jereissati (PSDB-CE), Randolfe Rodrigues (Rede-AP), Simone Tebet (MDB-MS), Marcelo Castro (MDB-PI) e Eduardo Braga (MDB-AM) decidiu chamar observadores de outros parlamentos do mundo.

Segundo Randolfe, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), presidente do Senado, concordou com a ideia.