DATAFOLHA

Bolsonaro tem pelo menos alguma responsabilidade pelos atos terroristas, diz Datafolha

O instituto apontou ainda que metade dos eleitores brasileiros quer que ele seja condenado por sua campanha contra as urnas eletrônicas e se torne inelegível por oito anos

Atos golpistas de 8 de janeiro.Créditos: Marcelo Camargo/Agência Brasil
Escrito en POLÍTICA el

Para 58% dos eleitores brasileiros, os ataques golpistas de 8 de janeiro tiveram algum grau de responsabilidade do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL), de acordo com pesquisa Datafolha. Desses, 32% veem muita culpa do ex-presidente, e 26%, um pouco.

O levantamento aponta ainda que 39% não veem nenhuma responsabilidade do ex-presiente pelos atos e 3% não souberam responder.

A Revista Fórum está concorrendo o prêmio Top10 do Brasil do iBest. Contamos com o seu voto! 
https://app.premioibest.com/votacao/influenciador-opiniao/237451556

A porcentagem dos que responsabilizam Bolsonaro pelos atos caiu em relação a um último levantamento feito em janeiro, logo depois da crise. Na ocasião, o Datafolha fez o mesmo questionamento e aferiu 38% o culpando bastante pelo episódio e 17%, vendo um pouco de culpa. Os que o isentavam eram os mesmos 39%.

O Datafolha ouviu 2.028 eleitores em 126 cidades nos dias 29 e 30 de março. A margem de erro é de dois pontos percentuais, para mais ou menos.

Inelegível

O Datafolha apontou também que metade dos eleitores brasileiros quer que Bolsonaro seja condenado por sua campanha contra as urnas eletrônicas e se torne inelegível por oito anos, conforme prevê a lei. Outros 45% acreditam que ele é inocente e deveria ser poupado pelo TSE (Tribunal Superior Eleitoral).

Para 51% dos entrevistados, a perda dos direitos políticos é a punição mais correta para o ex-presidente, que trabalhou para desacreditar o sistema eleitoral brasileiro mesmo antes de tomar posse, em 2019.

Já 45% acreditam que Bolsonaro deve ser liberado pela Justiça Eleitoral para disputar pleitos.

Não souberam avaliar a questão estimulada pelo Datafolha 4% dos 2.028 ouvidos. A margem de erro da pesquisa é de dois pontos percentuais, para mais ou para menos.

Com informações da Folha