BURACO SEM FUNDO

Família de coronel Cid tem mansão de R$ 8,5 milhões nos EUA em nome de um “trust”

Ex-ajudante de ordens de Bolsonaro, filho de general, está preso acusado de falsificar cartões de vacina. Reportagem do Metrópoles mostra patrimônio nababesco no exterior

Ten.cel Mauro Cid e a mansão dos EUA registrada em nome da trust "Cid Family".Créditos: Agência Brasil e Reprodução
Escrito en POLÍTICA el

Uma reportagem do portal Metrópoles publicada nesta quarta-feira (10) revelou que a família do tenente-coronel Mauro Cesar Barbosa Cid, o ex-ajudante de ordens de Jair Bolsonaro (PL), preso desde a última semana sob acusação de falsificar carteiras de vacinação para seus familiares e para o ex-presidente da República, mantém um ‘trust’ (Cid Family Trust) nos EUA, detentor até de uma mansão avaliada em R$ 8,5 milhões na Califórnia. ‘Trust’ é uma espécie de fundo, existente na legislação de alguns países, que se mantém como titular de bens e propriedades, sem precisar que uma pessoa física apareça como dona daquele patrimônio, dando isenções fiscais e “privacidade” aos reais proprietários. No cumprimento do mandado de prisão contra o tenente-coronel a PF encontrou um pacote com US$ 35 mil num cofre da casa dele.

A mansão cinematográfica, localizada em Temecula, a 130 quilômetros de Los Angeles, foi comprada por US$ 1,7 milhão pelo irmão do tenente-coronel Mauro, Daniel Cid. Eles são filhos do general de exército da reserva Mauro Cesar Cid, homônimo do filho militar, exceto pelo sobrenome Barbosa. Há ainda registros de outros imóveis adquiridos e negociados pela ‘trust’ da família Cid, como duas casas também em Temeluca, avaliadas em R$ 2,2 e R$ 3,3 milhões, esta última vendida há pouco tempo. O irmão de Mauro Cid tem ainda um imóvel no condomínio Doral Isles Martinique, em Miami, na Flórida, estimado em R$ 2 milhões, mas que foi registrado nominalmente e não na ‘trust’.

Profissional da área de tecnologia, com atuação em segurança digital, Daniel está na mira da Polícia Federal por conta da página “brasileiros.social”, um domínio criado por ele e registrado em servidores do exterior, com conteúdo de extrema direita e bolsonarista, onde em uma miscelânia de publicações negacionistas e teorias da conspiração contra o sistema eleitoral brasileiro apareceram. Foi lá que surgiu também uma cópia de um inquérito sob sigilo de Justiça, tocado pela PF, que investigava uma imaginária fraude em eleições, muito usado como “exemplo” pelo ex-presidente Jair Bolsonaro e anunciado numa live na qual o irmão de Daniel, o tenente-coronel Mauro Cesar Cid, apareceu junto ao então chefe de Estado, em agosto de 2020.

Ainda na reportagem do Metrópoles consta a informação de que Daniel Cid fez um verdadeiro malabarismo em território norte-americano com suas empresas. Estabelecido em 2018 com sua empresa na Califórnia, ele a passou para o estado de Delaware, um notório paraíso fiscal dentro dos EUA, ainda que tenha instalado o escritório da companhia no Texas. O portal diz que ainda que as razões para tal troca de endereço possam ser meramente fiscais, é muito comum a instalação de empresas em Delaware para que “dinheiro de fonte incerta seja incorporado aos negócios”.