FIM DO IMBRÓGLIO

Definido – GSI ou PF?: Governo decide quem fará a segurança pessoal de Lula

“Guerra” entre militares e agentes da Polícia Federal para ver quem protege o presidente chega ao fim. Ou não. Veja quem levou a melhor na queda de braço

Créditos: Agência Brasil
Escrito en POLÍTICA el

A longa e conturbada “guerra” entre os militares do Gabinete de Segurança Institucional (GSI) e os agentes da Polícia Federal para ver quem ficaria com a tarefa essencial de garantir a segurança pessoal do presidente Lula (PT) chegou ao fim. O ministro da Casa Civil, Rui Costa, disse numa conversa rápida com a imprensa, em Brasília, nesta terça (20), que o controle da atividade ficará nas mãos dos fardados do GSI, embora o modelo a ser adotado seja diferente do que existia anteriormente.

Atualmente, desde a posse de Lula, quem faz a segurança do chefe de Estado e de seu vice é a Polícia Federal, por meio da Secretaria Extraordinária de Segurança Imediata (SESP), que deixará de existir dia 30 deste mês, como previsto no decreto que a criou no começo do ano. A fala de Rui Costa, no entanto, aponta para um modelo “híbrido”, que teria o comando oficialmente nas mãos dos militares, mas o presidente poderia colocar agentes federais, ou até mesmo policiais militares estaduais, para protegê-lo, conforme seu desejo.

“O GSI quem vai fazer (a segurança presidencial). O presidente terá a liberdade de que convidar quem ele entender que deve compor, independente de ser polícia federal, policial militar, ou membros das Forças Armadas. Será montado um modelo híbrido, mas sob coordenação do GSI”, disse Costa.

Fontes ouvidas pela Fórum dentro do Palácio do Planalto e no setor responsável pela segurança do presidente nos dias atuais, no entanto, afirmam que a decisão pode conter uma “pegadinha”. O comando ficaria com os militares e, na teoria, com o ministro-chefe do GSI, general Marcos Antonio Amaro, mas como Lula terá a prerrogativa de escolher os integrantes de sua equipe de guarda-costas, eles acabariam sendo os agentes federais que já vêm fazendo esse trabalho, usando a mesma estrutura atual da SESP, que dá apoio logístico, administrativo e faz a articulação institucional.