CORRUPÇÃO

Como é o esquema dos kits de robótica que abriu investigação contra aliado de Lira

Assessor do Presidente da Câmara dos Deputados foi exonerado do cargo nesta segunda-feira (5) por envolvimento em esquema dos kits de robótica; entenda o esquema

Kits de robótica.Créditos: Freepik
Escrito en POLÍTICA el

Nesta segunda-feira (5), foi exonerado do cargo de assessor de liderança do PP na Câmara, Luciano Ferreira Cavalcante, um dos aliados do presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL). Cavalcante, junto ao motorista Wanderson Ribeiro, estariam envolvidos no esquema de corrupção dos kits de robótica.

Em um vídeo da PF, é possível identificar o motorista do ex-assessor de Lira recebendo o dinheiro dos kits de robótica em Brasília. Segundo a Polícia Federal, uma única empresa fornecedora dos kits estaria sendo favorecida e haveria um superfaturamento de pelo menos 420%. 

A distribuição dos recursos do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE), bancados pelo orçamento secreto, foi para a compra dos kits de robótica em 43 municípios de Alagoas entre 2019 e 2022.

O que são os kits de robótica?

Os kits de robótica são utilizados para projetos educacionais de robótica que visam a construção de robôs pelas crianças em escolas públicas alagoanas. São caracterizados como um conjunto de peças e instruções usadas para montagem de robôs, na maioria das vezes com deslocamento autônomo.

Há duas formas de aquisição do conjunto de peças: comprando com uma empresa fornecedora ou usando componentes eletrônicos recuperados em sucatas. São motores, partes mecânicas, circuitos elétricos e eletrônicos, uma placa de controle e sensores que possibilitam o uso do robô através de um computador. 

Na investigação da PF, foi apurado que os kits comprados pelos municípios alagoanos pertenciam à empresa Megalic, que ganhou a licitação dos contratos dos kits de robótica.

Uma reportagem do Estadão revelou que o assessor investigado tinha salário de R$ 14,7 mil e foi indicado para ser assistente técnico na liderança do PP em 2017, quando o próprio Lira era líder do partido.

Com informações do Jornal Extra e UOL