INFAME

Eduardo Bolsonaro pode perder o mandato após comparar professores com traficantes

O parlamentar da extrema direita causou revolta ao afirmar que educadores são mais perigosos que criminosos

Eduardo Bolsonaro pode perder o mandato após comparar professores com traficantes.Créditos: Agência Senado
Escrito en POLÍTICA el

O deputado federal Eduardo Bolsonaro (PL-SP) causou revolta entre os brasileiros neste domingo após comparar professores com traficantes e afirmar que os educadores são piores do que os criminosos. As declarações do parlamentar foram dadas durante manifestação do grupo Pró-Armas Brasil, realizada no domingo (9) em Brasília.

"Prestem atenção na educação dos filhos. Tirem um tempo para saber o que eles estão aprendendo nas escolas, para que não haja espaço para professores doutrinadores tentarem sequestrar nossas crianças. Não há diferença entre um professor doutrinador e um traficante de drogas, que tenta sequestrar e levar nossos filhos para o mundo do crime. Talvez até o professor doutrinador seja ainda pior, porque ele vai causar discórdia dentro da sua casa", declarou Eduardo Bolsonaro.

No entanto, o ataque de Eduardo Bolsonaro contra os professores pode lhe custar o mandato. Na manhã desta segunda-feira (10), o deputado federal Guilherme Boulos (PSOL-SP) revelou que vai entrar com uma ação contra Eduardo Bolsonaro no Conselho de Ética da Câmara dos Deputados.

"Vamos entrar com uma representação no Conselho de Ética da Câmara dos Deputados contra Eduardo Bolsonaro. Esse insulto a todos os professores brasileiros não pode ficar impune!", revelou Guilherme Boulos.

Grupo pró-armas faz ato a 600m do Congresso

Um grupo de militantes de extrema direita do movimento pró-armas está neste momento realizando um ato em Brasília, a 600 metros do Congresso Nacional, após percorrerem um trecho de pouco mais de um quilômetro da capital federal. Ontem, 8 de julho, foi a data que marcou os seis meses da tentativa de golpe de Estado levada a cabo por bolsonaristas de várias partes do país, que resultou na depredação e vandalização das sedes dos Três Poderes da República.

Quem está presente na manifestação dos radicais favoráveis à venda indiscriminada de armas é o deputado federal Eduardo Bolsonaro (PL-SP), filho do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL), que foi derrotado pelo presidente Lula (PT) na eleição do ano passado, que ao se negar a aceitar o resultado fomentou o radicalismo de seus fanáticos seguidores.

O repórter Mauro Lopes, da Fórum, esteve no local e testemunhou a movimentação dos extremistas armamentistas, que naquele momento se concentravam em frente à Catedral de Brasília.

“Há centenas de pessoas, não mais do que isso, e também há pelo menos uma centena de PMs, ao redor da manifestação. É algo assustador, porque há exatos seis meses ocorria a tentativa de golpe de 8 de janeiro. E eles descem a Esplanada (dos Ministérios) justamente em direção ao Congresso, mas conversando com um tenente da PM me foi passada a informação de que eles não chegarão perto da Praça dos Três Poderes, ficarão numa área a 600 metros de lá”, disse Mauro.

Nas imagens da manifestação é possível ver várias bandeiras de estados brasileiros, de clubes de tiro e até o pendão do Brasil Império, o que apenas reforça o caráter ultrarreacionário dos militantes que se juntaram para a “celebração” das armas.

A Fórum entrou em contato com a assessoria de imprensa da Polícia Militar do Distrito Federal para pedir esclarecimentos sobre quem autorizou um ato relacionado a armas, e com participantes vinculados a clubes de tiro e com registros de CAC, num local tão próximo ao centro do poder político nacional, sobretudo após os trágicos intentos de 8 de janeiro, assim como para saber qual era o efetivo policial destinado à manifestação. Até o momento não houve retorno por parte da PMDF. O espaço segue aberto para o posicionamento da corporação.