QUEM MANDOU MATAR

Marielle Franco: Elcio Queiroz, em delação premiada, diz que ele e Ronnie Lessa assassinaram a vereadora

O ministro da Justiça, Flávio Dino, revelou que uma parte da investigação foi concluída, mas que novas diligências serão realizadas nas próximas semanas

Marielle Franco: Elcio Queiroz, em delação premiada, diz que ele e Ronnie Lessa assassinaram a vereadora.
Escrito en POLÍTICA el

Em coletiva de imprensa realizada nesta segunda-feira (24), o ministro da Justiça, Flávio Dino, revelou que Elcio Queiroz, que está preso, fez um acordo de delação premiada onde confirma a sua participação no crime, de Ronnie Lessa como a pessoa que disparou contra a Marielle Franco, e do ex-bombeiro Maxwel Corrêa, preso na manhã desta segunda-feira (24). 

Segundo o ministro da Justiça, a delação de Elcio Queiroz aconteceu há 15 dias. Foi a partir dela que a Polícia Federal deflagrou a ação desta segunda-feira. Dino afirmou que “há convergência na narrativa de Elcio com aspectos que a Polícia Federal já tinha em posse". 

"Temos a conclusão de uma fase da investigação. Com a confirmação de tudo o que aconteceu na execução do crime, a partir da delação, dúvidas foram removidas: itinerário até a execução do crime. A delação permite que a PF tenha informações que conduzam para conclusão desse crime, que é o que todos desejam", explicou o ministro da Justiça. 

Na coletiva de imprensa, o ministro Flávio DIno afirmou que operação desta segunda tem uma “enorme” importância e que ela deve levar ao “esclarecimento definitivo” do crime, ou seja, as investigações estão próximas de chegar aos mandantes do assassinato de Marielle Franco e Anderson Gomes. O ministro também afirmou que nas próximas semanas novas diligências serão realizadas pela PF. 

“Não existe crime perfeito, não existe crime insolúvel. Estamos próximos de esclarecer todos os aspectos desse crime”, afirmou Flávio Dino. 

 

Marielle Franco: PF deflagra nova operação 

A Polícia Federal (PF) e o Ministério do Público do Rio de Janeiro (MPRJ) deflagaram na manhã desta segunda-feira (24) a Operação Élpis, primeira etapa da investigação sobre o assassinato da vareadora Marielle Franco e de seu motorista, Anderson Gomes, em 2018. 

Nesta primeira etapa, a PF cumpriu um mandado de prisão preventiva e sete mandados de busca e apreensão no Grande Rio. 

Segundo informações da PF, a pessoa presa é o ex-bombeiro Maxwell Simões Corrêa, o Suel, que foi condenado em 2021 a quatro anos de prisão por atrapalhar as investigações, mas cumpria pena em regime aberto. 

O ministro da Justiça, Flávio Dino, se pronunciou, por meio de suas redes sociais, sobre a Operação Élpis. 

"Hoje a Polícia Federal e o Ministério Público avançaram na investigação que apura os homicídios da Vereadora Marielle Franco e do motorista Anderson Gomes, além da tentativa de homicídio da assessora Fernanda Chaves. Foram cumpridos um mandado de prisão preventiva e sete mandados de busca e apreensão", escreveu Flávio Dino.  

Essa é a primeira operação da PF, sob o comando de Flávio Dino, em torno do assassinato de Marielle Franco e seu motorista, Anderson Gomes. 

Em fevereiro deste ano, Flávio Dino anunciou a criação de uma força tarefa para aprofundar as investigações sobre o assassinato de Marielle. O trabalho também estabeleceu uma nova parceria entre a PF e a MPRJ.