BIG TECHS CONTRA A REPÚBLICA

Twitter Files: Conheça a narrativa de Elon Musk que faz coro com bolsonaristas contra Moraes

O dossiê que denuncia a suposta censura à plataforma foi produzido por Michael Shellenberger, jornalista dos EUA, com a ajuda de profissionais ligados a site bolsonarista

Alexandre de Moraes e Elon Musk.Créditos: Marcelo Camargo/Agência Brasil e Trevor Cokley/Wikimedia Commons
Escrito en POLÍTICA el

“O Brasil está envolvido em um caso de ampla repressão da liberdade de expressão liderado pelo ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal”, disparou na última quarta-feira (3) o jornalista americano Michael Shellenberger, em sua conta no X (antigo Twitter). A frase foi dita no contexto da divulgação da sua apuração a respeito dos pedidos do STF para a retirada de publicações e perfis que disparam fake news para usuários brasileiros. A esse dossiê, que pretende provar que o Poder Judiciário é uma “ameaça à democracia”, foi dado o nome “Twitter Files Brazil”.

O nome, inclusive, deriva de um caso semelhante ocorrido nos EUA ao qual Shellenberger teve acesso. À época, foi o próprio Elon Musk quem revelou os documentos e os repassou ao jornalista logo após comprar o Twitter e mudar seu nome para X. O “Twitter Files” original apontava que agências do governo dos EUA se esforçaram durante a pandemia para retirar do ar postagens negacionistas da ciência e do próprio Covid-19. Na narrativa apresentada por Musk e pelo jornalista, no entanto, o objetivo seria “censurar a internet de forma profunda”.

Agora, na versão brasileira da conspiração do bilionário de extrema direita, o 'Twitter Files Brazil' aponta que a “censura” ao Twitter não parte apenas de agências federais, mas de ordens judiciais emitidas pelo próprio Supremo, que devem ser cumpridas. O dossiê contou com a colaboração de dois jornalistas que escrevem para a Gazeta do Povo, um site reconhecidamente pró-Bolsonaro.

Na postagem do X supracitada, Shellenberger acusa Moraes de intervir em publicações de parlamentares bolsonaristas e solicitar dados de usuários. O jornalista ainda suspeita que o ministro estaria interessado em cruzar esses dados com outras investigações, o que seria proibido por lei. No entanto, não há realmente uma comprovação dessa tese para além de e-mails que a equipe do X/Twitter – Brasil revelou no âmbito do ‘Twitter Files Brazil’. Trata-se de uma interpretação e hipótese, mas ainda sem comprovação.

É curioso como a narrativa vem bem a calhar para Elon Musk tanto no âmbito político como na concorrência com outras plataformas. Ao longo das postagens, e assim como ocorreu em 2022 no Twitter Files dos EUA, a rede X é a única apontada como “defensora da liberdade e dos dados dos usuários”. No caso brasileiro em especial, a rede de Musk teria sido a única que só entregou as informações mediante decisão judicial, ao contrário das concorrentes Google e Meta (Facebook, Insagram e WhatsApp), que teriam disponibilizado as informações por livre e espontânea vontade às autoridades.

“Moraes colocou pessoas na cadeia sem julgamento por coisas que elas publicaram nas mídias sociais. Ele exigiu a remoção de usuários de plataformas. E exigiu a censura de postagens específicas, sem dar aos usuários qualquer direito de recurso ou mesmo o direito de ver as provas apresentadas contra eles (…)”, escreveu Shellenberger.

O Twitter Files Brazil em alguns passos

Shellenberger dirá, logo no início da publicação, que o dossiê surge como uma resposta à ação do STF e de Moraes contra a difusão de fake news no X/Twitter. Ele aponta que em 14 de fevereiro de 2020, Rafael Batista, consultor técnico do Twitter Brasil, revelou o conteúdo dos pedidos judiciais pela primeira vez à matriz nos EUA, por e-mail.

A seguir, critica o STF e o TSE (Superior Tribunal Eleitoral) por não “censurarem” perfis de esquerda. Esse ponto é tratado como uma “explicação de contexto” a respeito dos tribunais. A crítica, por sua vez, tenta colocar em xeque a composição dos mesmos e sua própria existência, em franco ataque a um dos poderes da República. O objetivo? Por certo atiçar o público identificado com a extrema direita.

Logo depois apontará alguns pedidos de entrega de dados de usuários que publicaram hashtags conspiratórias – como as que pediam voto impresso e questionavam a lisura do sistema eleitoral – e faz a propaganda já citada contra as concorrentes. Para reforçar a imagem do X/Twitter como um “guardião da liberdade de expressão”, expõe ainda informações sobre um processo que Rafael Batista, conselheiro jurídico da plataforma no Brasil, passou a responder em fevereiro de 2021 por não entregar os dados solicitados.

Cada ponto é ilustrado com prints de trocas de e-mail entre a cúpula dos Twitters brasileiro e internacional a respeito do caso. Ao final, o jornalista americano tira sua conclusão: “Estamos, infelizmente, vivendo tempos estranhos no Brasil”. A seguir, a história segue com mais exemplos de pedidos dos tribunais, inclusive sobre dados de Carlos Bolsonaro.

Obrigações da Justiça brasileira e contexto político

Mas ao contrário das “ameaças ao Estado democrático de Direito” propagadas pelo jornalista americano, a Justiça brasileira, e em especial a Justiça Eleitoral, tem a obrigação de retirar do ar conteúdos mentirosos acerca das eleições e dos candidatos que as disputam. O objetivo é que narrativas mentirosas não influenciem o juízo dos eleitores.

Pensando em perspectiva, o dossiê de Elon Musk e seu jornalista viraliza no mesmo dia em que Moraes participou ao lado da Polícia Federal e da Advocacia-Geral da União da assinatura de acordos para o combate às fake news. Entre as ações está prevista a criação do Ciedde (Centro Integrado de Enfrentamento à Desinformação e Defesa da Democracia) que já começa a atuar nas eleições municipais desse ano. Para Moraes, a “desinformação é o mau do século”.

Além disso é importante apontar um segundo aspecto do momento em que a denúncia vem a público. Em novembro desse ano quem passará por eleições presidenciais são os próprios Estados Unidos. E o ex-presidente Donald Trump - de quem Musk se declara apoiador - já inicia sua campanha e ataca com mentiras, reeditando o velho discurso de que imigrantes indocumentados teriam maior inclinação a cometer crimes hediondos. Uma fake news sem qualquer comprovação científica.

The Donald caminha para um retorno à Casa Branca, dada a impopularidade de Joe Biden e dos democratas. E enquanto no Brasil vão sendo punidos os golpistas do 8 de janeiro e o cerco ao ex-presidente inelegível vai se fechando. Nesse sentido, uma das estratégias da nossa extrema direita para voltar ao Palácio do Planalto se concentra na reedição dos ataques à República, mais ou menos como Trump feito nos EUA.