À la Trump, Eduardo Bolsonaro contesta apuração das eleições após pai pregar voto impresso em 2022

Sem apresentar provas, presidente disse a apoiadores que foi "roubado" nas urnas. "Não confio nesse sistema eleitoral", disse

De forma similar ao que foi feito por Donald Trump nas eleições presidenciais dos Estados Unidos, o deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) anunciou nas redes sociais, na sexta-feira (20), que encaminhou questionamentos ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE) sobre a apuração das eleições municipais deste ano.

Entre os questionamentos feitos pelo filho do presidente, há a sugestão de que o software utilizado pelo TSE para contagem de votos pode sofrer “mudanças inesperadas” durante o processo de apuração.

“O atual software eleitoral prevê uma auto certificação ou uma auto verificação de integridade, em momentos cruciais do processo, para detectar se foi modificado de forma inesperada?”, questiona.

Os questionamentos do deputado ocorrem após o presidente Jair Bolsonaro dizer a apoiadores que não confia no sistema eleitoral do país e pregar o uso de voto impresso nas eleições de 2022.

“Nós devemos ter um sistema eleitoral onde você possa aferir e auditar o seu voto. E o que tá aí não é possível ser aferido. Então eu, por exemplo, não confio nesse sistema eleitoral. Alguns falam que eu fui eleito nesse sistema. Fui eleito porque tive muito voto. Fui roubado demais. Ninguém reclamou quando foi votar no 13 e tinha problema, mas reclamou muita gente quando foi votar no 17, tá ok?”, disse Bolsonaro no Palácio da Alvorada. O presidente até então não apresentou provas sobre tais fraudes.

Avatar de Luisa Fragão

Luisa Fragão

Jornalista.