ABI promove ato em solidariedade a Glenn Greenwald

Editor do The Intercept vem sendo pressionado e ameaçado por algumas das principais autoridades políticas do país, como Jair Bolsonaro e Sérgio Moro

A Associação Brasileira de Imprensa (ABI) promove na noite desta terça-feira (30), no Rio de Janeiro, um ato em solidariedade ao jornalista Glenn Greenwald, editor do site The Intercept Brasil.

Ao menos dez entidades da sociedade civil se incorporaram à iniciativa.

Inscreva-se no nosso Canal do YouTube, ative o sininho e passe a assistir ao nosso conteúdo exclusivo.

“Acho que o presidente da República está mostrando o que ele sempre mostrou nos últimos 30 anos. Ele demonstrou explicitamente ser contrário à democracia, apoiou a ditadura e, agora, ele está fazendo o que sempre disse que iria fazer: ele não apoia a imprensa livre”, declarou Glenn, durante o ato.

“Ele (Bolsonaro) gosta de usar ameaças e táticas de intimidação para deter a informação que ele quer manter escondida. Mas não está funcionando. Tem muitos jornalistas, não só eu, dedicados a divulgar esses fatos. Ele pode continuar me ameaçando, insultando minha família. Isso só vai mostrar o caráter dele”, acrescentou.

Pressão

Glenn vem sendo muito pressionado e ameaçado por algumas das principais autoridades políticas do país, como Jair Bolsonaro e Sérgio Moro. O presidente, inclusive, já disse que ele pode ser preso.

O ministro da Justiça, por sua vez, elaborou um decreto que prevê a extradição de estrangeiros, os quais considera “perigosos”.

Publicidade

Glenn vem sendo alvo de perseguição desde que o The Intercept começou a divulgar diálogos comprometedores envolvendo Moro e procuradores do Ministério Público (MP), especialmente Deltan Dallagnol.

Assistam ao vídeo:

Publicidade

Avatar de Redação

Redação

Direto da Redação da Revista Fórum.

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR