Blog do George Marques

direto do Congresso Nacional

#Fórumcast, o podcast da Fórum
12 de julho de 2019, 15h41

Ação popular pede que Jair Bolsonaro seja proibido de nomear o filho para cargo de embaixador

Os autores do pedido sustentam que o Presidente da República feriu a lei ao indicar um parente para o cargo de embaixador

Foto: Câmara

Uma ação popular protocolada na tarde desta sexta-feira (12), na 17ª Vara Federal Cível de Brasília, solicita que o Poder Judiciário se manifeste e proíba que o presidente Jair Bolsonaro nomeei o seu próprio filho, Eduardo Bolsonaro, para a função de embaixador do Brasil em Washington, nos Estado Unidos.

Os autores do pedido sustentam que o Presidente da República feriu a lei ao indicar um parente para o cargo. A nomeação do próprio filho do presidente para uma embaixada não tem precedentes na história da diplomacia brasileira desde a Proclamação da República. Para ser embaixador, Eduardo Bolsonaro deverá ser aprovado pelo Senado.

“Como demonstrado, não bastasse a completa violação aos princípios da Moralidade Administrativa e da Impessoalidade, o Presidente da República, aparentemente, articula com aliados para que o filho não seja ‘prejudicado’ com a renúncia do mandato”, diz trecho da ação que é assinada pelos advogados Bertoldo Klinger Barros Rêgo Neto e Adil Lucena Carvalho.

“A nosso sentir, toda a situação mostra-se lesiva aos princípios inerentes à administração e constitui, também, total desvio de finalidade, ante a articulação que se pretende e que foi citada acima”, afirmam.

Projeto de lei contra nomeação

Conforme noticiado pelo blog mais cedo, o deputado federal Marcelo Calero (Cidadania-RJ) reagiu e protocolou um projeto de lei para proibir que pessoas de fora da carreira diplomática chefiem missões brasileiras no exterior.

“A aceitação desse tipo de missão é recado duro ao povo brasileiro, pois ao mesmo tempo representa nepotismo com desprestígio da carreira de diplomata”, disse Calero, ex-ministro da Cultura do governo Temer que é concursado no Itamaraty. “Por mais com competente que o Eduardo Bolsonaro seja, trata-se de nepotismo”, afirmou.

Chanceler informal

Desde o início do governo do pai Eduardo Bolsonaro se comporta como uma espécie de “chanceler informal”. Apesar de o cargo ser ocupado oficialmente por Ernesto Araújo, ministro de Relações Exteriores, Eduardo acompanha o pai em quase todas as suas viagens internacionais e tem mais interlocução com lideranças estrangeiras que o próprio chefe do Itamaraty.

Em março, por exemplo, durante a visita viagem aos EUA, o fato de Eduardo ter permanecido na sala durante a reunião entre Bolsonaro e Trump, sem a presença de Araújo, causou mal estar entre a diplomacia brasileira.

Desde a exoneração de Sergio Amaral, há três meses, que o Brasil está sem representação diplomática em Washington.


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum