Alberto Fernández sobre caso Lula: “Agora já conhecemos como Moro manipulava procuradores”

O presidente da Argentina participou de atividade sobre Lawfare durante o aniversário do PT e criticou a condenação do ex-presidente

O presidente da Argentina, Alberto Fernández, participou nesta segunda-feira (22) de uma das atividades do aniversário de 41 anos do PT, sobre lawfare e o caso Lula. Em mensagem, o mandatário criticou a condenação do ex-líder sindical e a atuação do ex-juiz Sergio Moro, de procuradores, e dos meios de comunicação.

Professor de Direito Penal, Fernández classificou o lawfare como um “maldito mecanismo que foi implementado no Brasil e em outros lugares do continente que serviu para que a mídia e a Justiça persigam opositores ao regime político que agora governa”.

“A verdade é que se pode ver casos em distintos lugares da América Latina onde há claramente há ações persecutórias e há casos judiciais que se sustentam em certas regras processuais e em um cúmulo de arbitrariedades para perseguir e prender opositores”, completou.

Fernández aponta que Lula está entre os três casos mais claros de aplicação de lawfare, junto a Rafael Corrêa, ex-presidente do Equador, e Cristina Kirchner, atual vice-presidenta e ex-presidenta da Argentina.

“O mais chamativo desse caso é que a imputação que faziam ao Lula era que ele teria recebido um apartamento como parte de propina de uma empreiteira. Não havia nenhum documento que avalizava que a propriedade era de Lula, mas simplesmente com base no jogo das ‘convicções’ desse singular juiz Moro, terminou sendo condenado”, comentou Fernández, que destacou que o mesmo apartamento foi usado para saldar uma dívida de outra pessoa.

“Agora já conhecemos como o juiz Moro manipulava os procuradores e os procuradores se prestavam a isso, para que Lula não pudesse ser candidato e seguisse muito tempo processado. Agora, graças a deus, parece que as provas revelam claramente como foi essa perseguição”, prosseguiu, fazendo referência aos dados da Operação Spoofing e da Vaza Jato.

“Havia uma série de engrenagens na qual participavam juízes, procuradores e meios de comunicação para construir no imaginário público do Brasil a ideia de que Lula era um deliquente. Agora tudo está sendo descoberto”, disse ainda.

O presidente argentino também ironizou o fato de que Moro foi “um juiz que andou circulando pela América Latina como um paladino da luta contra a corrupção e terminou sendo ministro da Justiça do atual governo do Brasil”

O argentino ainda parabenizou o PT pelo aniversário e lembrou de quando visitou Lula na Superintendência da Polícia Federal de Curitiba.

Além de Fernández, participaram Jean-Luc Mélenchon, candidato à presidência da França em 2017 pelo França Insubmissa, e o advogado Antônio de Almeida Castro, o Kakay, e diversas lideranças de esquerda latino-americanas. A atividade foi coordenada pelo ex-ministro Fernando Haddad.

O debate foi reexibido ao vivo pelo canal do YouTube da Fórum.

Assista:

Avatar de Lucas Rocha

Lucas Rocha

Jornalista da Sucursal do Rio de Janeiro da Fórum.

Em 2021, escolha a Fórum.

Fazer jornalismo comprometido com os direitos humanos e uma perspectiva de justiça social exige apoio dos leitores. Porque se depender do mercado e da publicidade oficial de governos liberais esses projetos serão eliminados. Eles têm lado e sabem muito bem quem devem apoiar.

Por isso, neste momento que você está renovando suas escolhas e está pensando em qual site apoiar, que tal escolher a Fórum?

Se fizer isso, além de garantir tranquilidade para o nosso trabalho, você terá descontos de no mínimo 50% nos cursos que já temos em nossa plataforma do Fórum Educação.

Renato Rovai
Editor da Revista Fórum

APOIAR