Entrevista exclusiva com Lula
06 de novembro de 2019, 08h44

Alçado por Bolsonaro, Aras deve usar conflito entre polícia e promotores para levar caso Marielle para a PGR

O PGR usa como argumento o conflito de versões sobre a obtenção da planilha que associou o nome de Bolsonaro a um dos responsáveis pelo assassinato

Augusto Aras (Foto: Roberto Jayme/TSE)

A Procuradoria-Geral da República, comandada por Augusto Aras, deverá tomar as rédeas do caso Marielle e tirar a investigação das mãos do estado. A PGR usa como argumento o conflito de versões entre a Polícia Civil e o Ministério Público do Rio de Janeiro sobre a obtenção da planilha que associou o nome do presidente Jair Bolsonaro (PSL) a um dos responsáveis pelo assassinato.

O responsável por comandar o procedimento aberto pela PGR é o procurador Douglas Araújo, que terá sob sua alçada a alegação do Ministério Público do Rio de que o porteiro que anotou o número da casa de Bolsonaro na planilha do condomínio mentiu. Quem solicitou a apuração foi o ministro da Justiça, Sergio Moro.

Segundo investigadores, o procurador-geral de Justiça do Rio, Eduardo Gussem, esteve nesta terça-feira (5) com Augusto Aras, comprometendo-se a enviar os áudios obtidos na portaria do condomínio de Bolsonaro à análise de autoridades federais.

O pedido de federalização está nas mãos de Laurita Vaz, do Superior Tribunal de Justiça (STJ). Segundo colegas, ouvidos por Daniela Lima, da Folha de S.Paulo, ela pretende levar o caso a julgamento ainda esse ano.

A Polícia Civil tem desde novembro de 2018 a planilha que identificava a casa do presidente como a que autorizou a entrada de um suspeito de matar Marielle, o ex-PM Élcio Queiroz, no condomínio em que Bolsonaros tem casa no Rio. A documentação, no entanto, teria sido enviada ao Ministério Público do Rio em março deste ano. Recentemente, o órgão disse só ter tido acesso às planilhas no mês passado.

 


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum