Fórumcast, o podcast da Fórum
13 de novembro de 2017, 08h33

Alckmim sinaliza que pode ser presidente do PSDB

Aliados de Alckmin dizem que ele não quer entrar na disputa pela vaga, mas aceitaria a “missão” se fosse aclamado na convenção nacional como solução de consenso

Aliados de Alckmin dizem que ele não quer entrar na disputa pela vaga, mas aceitaria a “missão” se fosse aclamado na convenção nacional como solução de consenso

Da Redação*

Com a destituição do senador Tasso Jereissati (CE) do comando interino do PSDB, na última quinta-feira, o nome do governador Geraldo Alckmin foi levantado por tucanos importantes, como o ex-senador José Aníbal, presidente do Instituto Teotônio Vilela, e o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, para assumir a presidência da sigla. As informações são de Pedro Venceslau, no Estadão.

“Temos dois pré-candidatos. Vamos aguardar. Essa é uma decisão coletiva do Brasil inteiro”, disse Alckmin. Além de Tasso, que se declarou candidato na última quarta-feira, o governador de Goiás, Marconi Perillo, também declarou que vai concorrer à presidência do PSDB, que será escolhida em convenção do partido no dia 9 de dezembro.

Em convenção do PSDB em São Paulo, Alckmin foi “conclamado” por militantes e dirigentes a ocupar a presidência e assumir o posto de pré-candidato tucano ao Palácio do Planalto. O senador José Serra (SP), que também era apontado como presidenciável, foi recebido pela militância como pré-candidato a governador do partido em 2018. A Juventude do PSDB puxou o coro: “Um, dois, três, é Serra outra vez”.

O prefeito de São Paulo, João Doria (PSDB), disse neste domingo, 12, que defende Perillo para presidir a sigla, mas, “se for necessário”, que o governador Geraldo Alckmin assuma o comando da sigla como terceira via, “será bom para o partido”.  O evento contou com a presença de lideranças de cinco partidos que orbitam na área de influência de Alckmin: PTB, PV, PPS, PSB e DEM.

Terceira via

Com o acirramento da disputa entre o senador Tasso Jereissati (CE) e o governador Marconi Perillo (GO) pela presidência do PSDB, a tese de indicar Alckmin como uma terceira via ganhou força.

Em uma mensagem publicada em sua página no Facebook, o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso defendeu que o governador “tenha uma posição central na legenda”.

Aliados de Alckmin dizem que ele não quer entrar na disputa pela vaga, mas aceitaria a “missão” se fosse aclamado na convenção nacional como solução de consenso.

Auxiliares de Alckmin e tucanos da cúpula do partido lembram que, em 2013, o senador Aécio Neves foi reeleito presidente do PSDB antes de entrar na campanha pelo Presidência da República, assim como o ex-governador Eduardo Campos, que presidia o PSB. O cargo daria a Alckmin flexibilidade para viajar o Brasil na pré-campanha, em 2018.

Na convenção do PSDB, o deputado estadual Pedro Tobias, aliado histórico de Alckmin, foi reeleito presidente do partido em São Paulo. Em seu discurso, ele fez um “apelo público” para que o governador presida o partido nacionalmente.

“Geraldo, você é a pessoa que pode dirigir o PSDB. O partido está à beira da divisão e precisa de você”, disse o dirigente, que discursou ao lado de Alckmin na Assembleia Legislativa, onde aconteceu a convenção.

Em sua fala, o governador tocou indiretamente no assunto sobre a eleição interna ao defender que o PSDB “não seja personalista”. “Quando nosso partido nasceu, a primeira presidência foi rotativa, com (Mário) Covas e (José) Richa”.

Alckmin fez um discurso com tom nacional e pregou a união interna no PSDB: “Nós precisamos de unidade. Mas eu pergunto: união e unidade para quê? Para mudar o Brasil. Essa tem que ser nossa mensagem, mudar o Brasil, com todos os riscos que vamos correr”.

Em seu discurso, Goldman também pediu unidade. “A chapa (na convenção nacional) precisa ser uma só. Não vamos dividir o partido no Brasil inteiro, meu papel é obter a convergência interna e buscar a unidade do partido”.

Terminado o discurso do ex-governador, militantes da Juventude do PSDB gritaram da plateia em coro: “Eu vim de pijama”. Trata-se de uma referência ao polêmico vídeo gravado por João Doria no qual ele criticou Goldman e disse que ele “fica de pijamas” em casa.

A convenção terminou com o bordão “Alckmin presidente” e o tema da vitória de Ayrton Senna, usado na campanha de Doria à Prefeitura, tocando nas caixas de som.

*Com informações do Estadão

Foto: Antonio Cruz / Agência Brasil


Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum